Tempo em Setúbal

sábado, 31 de julho de 2010

Les très riches heures du duc de Berry - 4/4

.
# Outubro: Cultivo dos campos. Ao fundo o Louvre.
.
.
# Novembro: Um servo alimenta os porcos.



# Dezembro: A caça de um javali. Ao fundo o Château de Vincennes.
.
.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Les très riches heures du duc de Berry - 3/4



A Ascensão de Jesus, folio 184r


.
Julho: Tosquia de ovelhas. Ao fundo o Château de Clain próximo a Poitiers.
.
.

Agosto: Nobres com falcões. Ao fundo o Château d'Étampes.
.
.
 .
Setembro: Colheita das uvas. Ao fundo o Château de Saumur.
.
.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Les très riches heures du duc de Berry - 2/4

.
Abril: Um jovem casal troca alianças. Ao fundo o Château de Dourdan.


.
Maio: Jovens nobres a cavalo. Ao fundo o Palais de la Cité em Paris.


.
Junho: Colheita. Ao fundo o Hôtel de Nesle.
.
.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Les très riches heures du duc de Berry - 1/4

.

Janeiro: Um banquete de ano-novo com o duque à direita, vestindo uma túnica azul.
..

Fevereiro -  Um dia típico de inverno. Servos aquecem-se junto ao fogo, outros cortam árvores e ainda, outros vão ao mercado.
.
.
Março: Uns semeiam o campo. Ao fundo está o Château de Lusignan, 
uma das residências do duque.
.
.
ver no D'Ali e D'Aqui
.

Les très riches heures du duc de Berry - Livro de Horas

.

.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Beethoven Moonlight Sonata No. 14, Opus 27 No. 2 in C sharp minor

.
.
beethovenslady | 25 de março de 2006
dedicated to Ludwig van Beethoven
.
.

Beethoven's Moonlight Sonata

Piano Sonata no. 14, c sharp minor - Op. 27 no 2

By , About.com Guide
.
.
Background of the Moonlight Sonata
The original title of the sonata is “Quasi una fantasia” (It. almost a fantasy). The popular title of Moonlight Sonata actually didn’t come about until several years after Beethoven’s death. In 1836, German music critic, Ludwig Rellstab wrote that the sonata reminded him of the reflected moonlight off Lake Lucerne. Since then, Moonlight Sonata has remained the “official” unofficial title of the sonata.
.
Beethoven composed the famous Moonlight Sonata in 1801 and dedicated it to Countess Giulietta Guicciardi, a pupil of Beethoven. Shortly after their first few lessons, the two fell in love. After dedicating the Moonlight Sonata, it is believed that Beethoven proposed to her. Although she was willing to accept Beethoven’s proposal, forbiddance by one of her parents prevented her from marrying him.

Notes on the Moonlight Sonata

The Moonlight Sonata is divided into three separate parts.
  • Adagio sostenuto
  • Allegreto
  • Presto agitato
The First Movement
The first movement of the Moonlight Sonata is easily the most well known. The famous mysterious, almost haunting melody is dark and whisper like. The form of the first movement is a sort of “condensed” sonata. In other words, it plays the main melody, develops it, and then plays it again very similar to how it was originally played. 
.
The Second Movement
The second movement of the Moonlight Sonata is in the form of a scherzo (a comic composition, usually fast-moving and used in the place of a minuet and trio during Beethoven’s time). The key of the second movement is D flat major, which is unrelated to the overall key of c# minor.
.
The Third Movement
The third movement is completely different from the previous two movements. Its rapid progressions from note to note are invigorating and powerful. The third movement of the Moonlight Sonata is actually marked piano, but Beethoven’s use of sforzandos and fortissimos make the piece actually sound as if the overall dynamic was fortissimo.

Moonlight Sonata Recommended Recordings

segunda-feira, 26 de julho de 2010

As quatro estações - Inverno (Vivaldi)


.
.
funfront | 18 de janeiro de 2008
.
.
Concerto n° 4 en fa mineur, op. 8, RV 297, « L'inverno » (L'Hiver) 
  1. Allegro non molto
  2. Largo
  3. Allegro
Allegro non molto
Aggiacciato tremar trà nevi algenti
Al Severo Spirar d'orrido Vento,
Correr battendo i piedi ogni momento;
E pel Soverchio gel batter i denti;

Largo
Passar al foco i di quieti e contenti
Mentre la pioggia fuor bagna ben cento

Allegro
Caminar Sopra 'l giaccio, e à passo lento
Per timor di cader gersene intenti;

Gir forte Sdruzziolar, cader a terra
Di nuove ir Sopra 'l giaccio e correr forte
Sin ch'il giaccio si rompe, e si disserra;

Sentir uscir dalle ferrate porte
Sirocco Borea, e tutti i Venti in guerra
Quest'è 'l verno, ma tal, che gioja apporte
.
.
_____
.
Allegro non molto
Trembler violemment dans la neige étincelante,
Au souffle rude d'un vent terrible,
Courir, taper des pieds à tout moment
Et, dans l'excessive froidure, claquer des dents;

Largo
Passer auprès du feu des jours calmes et contents,
Alors que la pluie, dehors, verse à torrents;

Allegro
Marcher sur la glace, à pas lents,
De peur de tomber, contourner,

Marcher bravement, tomber à terre,
Se relever sur la glace et courir vite
Avant que la glace se rompe et se disloque.

Sentir passer, à travers la porte ferrée,
Sirocco et Borée, et tous les Vents en guerre.
Ainsi est l'hiver, mais, tel qu'il est, il apporte ses joies.
.
.

domingo, 25 de julho de 2010

As quatro estações - Outono (Vivaldi)


.
.

biancofrancesco71 | 5 de Maio de 2008
Orchestra da Camera Siciliana, Carlomoreno Volpini direttore, Francesco Palmisano violino solista - Concerto n° 3 en fa majeur, op. 8, RV 293, « L'autunno » (L'Automne)
.
Concerto N.3
Outono(Allegro-Adagio Molto-Allegro)
O "Outono" abre com uma dança camponesa para celebrar a colheita e conclui com uma caça (completa com "[trompas], armas e cães"), que culmina na morte de um veado selvagem.
.
Outono
.
.
Celebra il Vilanel con balli e Canti
Del felice raccolto il bel piacere
E del liquor de Bacco accesi tanti
Finiscono col Sonno il lor godere
.
Fà ch' ogn' uno tralasci e balli e canti
L' aria che temperata dà piacere,
E la Staggion ch' invita tanti e tanti
D' un dolcissimo Sonno al bel godere.
.
I cacciator alla nov' alba à caccia
Con corni, Schioppi, e canni escono fuore
Fugge la belua, e Seguono la traccia;
.
Già Sbigottita, e lassa al gran rumore
De' Schioppi e canni, ferita minaccia
Languida di fuggir, mà oppressa muore.
.
.
_____
.
Allegro
Par des chants et par des danses,
Le paysan célèbre l'heureuse récolte
Et la liqueur de Bacchus
Conclut la joie par le sommeil.

Adagio molto
Chacun délaisse chants et danses :
L'air est léger à plaisir,
Et la saison invite
Au plaisir d'un doux sommeil.

Allegro
Le chasseur part pour la chasse à l'aube,
Avec les cors, les fusils et les chiens.
La bête fuit, et ils la suivent à la trace.

Déjà emplie de frayeur, fatiguée par le fracas des armes
Et des chiens, elle tente de fuir,
Exténuée, mais meurt sous les coups.
.
.
.
.

sábado, 24 de julho de 2010

As quatro estações - Verão (Vivaldi)


.
.

biancofrancesco71 | 3 de Maio de 2008
Orchestra da Camera Siciliana, Carlomoreno Volpini direttore, Francesco Palmisano Violino Solista


Concerto N.2
Verão(Allegro Non Molto-Adagio/Presto-Presto)
.
O sol abrasador atinge os camponeses, mas uma tempestade se anuncia, eclodindo no terceiro movimento numa furiosa chuva de granizo acompanhada pelo crepitar de uma rápida passagem ornamental na orquestra e no solo. Concerto n° 2 en sol mineur, op. 8, RV 315, « L'estate » (L'Été)

.
Verão
.
.
Sotto dura Staggion dal Sole accesa
Langue l' huom, langue 'l gregge, ed arde il Pino;
Scioglie il Cucco la Voce, e tosto intesa
Canta la Tortorella e 'l gardelino.
.
Zeffiro dolce Spira, mà contesa
Muove Borea improviso al Suo vicino;
E piange il Pastorel, perche sospesa
Teme fiera borasca, e 'l suo destino;
.
Toglie alle membra lasse il Suo riposo
Il timore de' Lampi, e tuoni fieri
E de mosche, e mossoni il Stuol furioso!
.
Ah che pur troppo i Suo timor Son veri
Tuona e fulmina il Ciel e grandioso
Tronca il capo alle Spiche e a' grani alteri.
.
.
_____
.
Allegro non molto - Allegro
.
Sous la dure saison écrasée de soleil,
Homme et troupeaux se languissent, et s'embrase le pin.
Le coucou se fait entendre, et bientôt d'une seule voix,
Chantent la tourterelle et le chardonneret.

Zéphyr souffle doucement, mais, tout à coup,
Borée s'agite et cherche querelle à son voisin.
Le pâtre s'afflige, car il craint
L'orage furieux, et son destin.

Adagio - Presto - Adagio
.
À ses membres las, le repos est refusé :
La crainte des éclairs et le fier tonnerre,
Et l'essaim furieux des mouches et des taons.

Presto
.
Ah, ses craintes n'étaient que trop vraies,
Le ciel tonne et fulmine et la grêle
Coupe les têtes des épis et des tiges.
.
.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

As quatro estações - Primavera (Vivaldi)


.
.

luthieryotuve | 21 de março de 2008
Antonio Lucio Vivaldi (Venecia, 4 de marzo de 1678 - Viena, 28 de julio de 1741). Compositor del alto barroco, apodado il prete rosso ("el cura rojo") por ser sacerdote y pelirrojo. Compuso unas 770 obras, entre las cuales se cuentan 477 concerti y 46 óperas.

Antonio Lucio Vivaldi (March 4, 1678 July 28, 1741), nicknamed il Prete Rosso ("The Red Priest"), was a Baroque composer and Venetian priest, as well as a famous virtuoso violinist, born and raised in the Republic of Venice. The Four Seasons, a series of four violin concerti, is his best-known work and a highly popular Baroque piece.

Igor Stravinski comentó en una ocasión que Vivaldi no había escrito nunca quinientos conciertos, sino «quinientas veces el mismo concierto». No deja de ser cierto en lo que concierne al original e inconfundible tono que el compositor veneciano supo imprimir a su música y que la hace rápidamente reconocible.

Antonio Lucio Vivaldi was born in Venice, the capital of the Republic of Venice in 1678. He was baptized immediately after his birth at his home by the midwife. It is not known how the life of the infant was in danger, but the immediate baptism was most likely due to his poor health or to an earthquake that shook the city that day. Vivaldi's official church baptism (at least, the rites that remained other than the actual baptism itself) did not take place until two months later. His father, Giovanni Battista, a barber before becoming a professional violinist, taught him to play violin and then toured Venice playing the violin with his young son. Giovanni Battista was one of the founders of the Sovvegno dei musicisti di Santa Cecilia, a sort of trade union for musicians and composers.

Autor prolífico, la producción de Vivaldi abarca no sólo el género concertante, sino también abundante música de cámara, vocal y operística. Célebre sobre todo por sus cuatro conciertos para violín y orquesta reunidos bajo el título Las cuatro estaciones, cuya fama ha eclipsado otras de sus obras igualmente valiosas, si no más, Vivaldi es por derecho propio uno de los más grandes compositores del período barroco.

Vivaldi had a health problem, probably a form of asthma, which did not prevent him from learning to play the violin, compose or take part in many musical activities. It did however stop him from playing wind instruments because of shortness of breath. At the age of 15 in the year of 1693, he began studying to become a priest. In 1703, at the age of 25, Vivaldi was ordained a priest and was soon nicknamed il Prete Rosso, "The Red Priest", because of his red hair.

Vivaldi, virtuoso del violín que asombraba al auditorio por su técnica, estableció una de las características básicas del concierto de los siglos siguientes: su uso para lucimiento del virtuoso.

Sus conciertos para violín también fueron decisivos en la evolución de la ejecución violinística en cuanto a su escritura de cuerdas cruzadas y al desarrollo de una nueva técnica para el manejo del arco.

Vivaldi fue el primer compositor que utilizó de forma coherente el ritornello, que se llegó a imponer en los movimientos rápidos del concierto. El ritornello se repetía en diferentes tonalidades y era interpretado por toda la orquesta.

It is also in this period that he wrote the Four Seasons, four violin concertos depicting natural scenes in music. While three of the concerti are of original conception, the first, "Spring", borrows motifs from a Sinfonia in the first act of his opera "Il Giustino", composed at the same time as The Four Seasons. The inspiration for them was probably the countryside around Mantua. They were a revolution in musical conception: in them Vivaldi represented flowing creeks, singing birds (of different species, each specifically characterized), barking dogs, buzzing mosquitoes, crying shepherds, storms, drunken dancers, silent nights, hunting parties (both from the hunter's and the prey's point of view), frozen landscapes, children ice-skating, and burning fires. Each concerto was associated with a sonnet of Vivaldi's hand, describing the scenes depicted in the music. They were published as the first four of a collection of twelve, Il cimento dell'armonia e dell'inventione, his Opus 8, published in Amsterdam by Le Cène in 1725.

Alternaba con episodios interpretados por el solista, a menudo de carácter virtuosista. Estableció la forma de tres movimientos para el concierto y fue uno de los primeros en introducir cadenzas para el solista.

Sus conciertos para violín opus 8, Las cuatro estaciones, son uno de los primeros ejemplos de música programática que, como gran parte de su música, se caracteriza por ritmos vigorosos y fuertes contrastes.
.
.
_____
.
Le quattro stagioni (OP.8, N.1-4, RV271) (em português, As quatro estações). Esses quatro concertos para violino e orquestra são parte de uma série de 12 publicados em Amsterdã, em 1725, intitulados Il cimento dell'armonia e dell'inventione. Ao contrario da maioria dos concertos de Vivaldi, esses quatro tem um programa claro: vinham acompanhados por um soneto ilustrativo impresso na parte do primeiro violino, cada um sobre o tema da respectiva estação. Não se sabe a origem ou autoria desses poemas, mas especula-se que o próprio Vivaldi os tenha escrito.As qualidades da musica de Vivaldi - temas concisos, clareza da forma, vitalidade rítmica, textura homofônica, frases equilibradas, diálogo dramático entre solista e conjunto - influenciaram diversos compositores, entre eles J.S. Bach, que transcreveu vário de seus concertos para teclado.música barroca.
.
Concerto N.1
Primavera(Allegro-Largo-Allegro)
.
No Largo da "Primavera", o texto conta como o "pastor de cabras adormeceu com seu leal cão ao lado"; a música langorosa só é interrompida pelo "ladrido" da viola solo.
Italiano
Primavera
.
Giunt' è la Primavera e festosetti
La Salutan gl' Augei con lieto canto,
E i fonti allo Spirar de' Zeffiretti
Con dolce mormorio Scorrono intanto:
.
Vengon' coprendo l' aer di nero amanto
E Lampi, e tuoni ad annuntiarla eletti
Indi tacendo questi, gl' Augelletti;
Tornan' di nuovo al lor canoro incanto:
.
E quindi sul fiorito ameno prato
Al caro mormorio di fronde e piante
Dorme 'l Caprar col fido can' à lato.
.
Di pastoral Zampogna al suon festante
Danzan Ninfe e Pastor nel tetto amato
Di primavera all' apparir brillante.
.
.

Concerto n° 1 en mi majeur, op. 8, RV 269, « La primavera » (Le Printemps)

.
.
Allegro
Voici le Printemps,
Que les oiseaux saluent d'un chant joyeux.
Et les fontaines, au souffle des zéphyrs,
Jaillissent en un doux murmure.

Ils viennent, couvrant l'air d'un manteau noir,
Le tonnerre et l'éclair messagers de l'orage.
Enfin, le calme revenu, les oisillons
Reprennent leur chant mélodieux.

Largo
Et sur le pré fleuri et tendre,
Au doux murmure du feuillage et des herbes,
Dort le chevrier, son chien fidèle à ses pieds.

Allegro
Au son festif de la musette
Dansent les nymphes et les bergers,
Sous le brillant firmament du printemps.
.
.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades - Luís de Camões e José Mário Branco


.

oleiros70 | 22 de dezembro de 2008
Século XXI. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades?

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.
[...]
Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.
[...]
O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.
[...]
E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.
[...]

Luís Vaz de Camões (séc XVI)
[... e se tudo o Mundo é composto de mudança, troquemos-lhes as voltas que ainda o dia é uma criança...]
.
.
.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Autumn Sonata (Herbstsonate, 1978) e peça de teatro Ingmar Bergman

 Chopin Prélude op 28 nr 2 from Autumn Sonata



.
.
MagicWorksofBergman | 14 de Dezembro de 2008
U.S. trailer for Ingmar Bergman's Autumn Sonata (Herbstsonate, 1978).
.
 
.
Conjecturas | 3 de Agosto de 2009 - A sexta das dez lições sobre Bergman
.
.


.
livedvfilm | 15 de Janeiro de 2008
Trailer 2min e 06seg - Peça de teatro no Teatro de S. Luís - Lisboa
.
.
.
.
livedvfilm | 15 de Janeiro de 2008
DEMO da peça gravada no Teatro São Luiz em Lisboa
.
.
.

wolfofsea73 | 9 de Abril de 2008 - Sergei Yerokhin plays Chopin Prelude Op.28, No.2 
.
.
.
capetond | 10 de Janeiro de 2009 - Claudio Arrau Chopin Prelude Op . 28 No. 2
.
.


segunda-feira, 20 de julho de 2009


Fala de filme: Sonata de Outono - Ingmar Bergman


Falas da personagem Eva (Liv Ulmann)

"É preciso aprender a viver. Eu pratico todo dia. Meu maior obstáculo é não saber quem sou. Se alguém me ama como eu sou, posso finalmente ter a coragem de olhar para mim mesma. Essa possibilidade é pouco viável."

No ser humano existe tudo, do mais elevado até o mais baixo.
.
O homem é a imagem de DEUS e DEUS existe em tudo.
.
E assim o ser humano foi criado, mas também os demônios, os santos, os profetas, os artistas e os iconoclastas. Tudo existe lado a lado. É como se fossem desenhos gigantes mudando o tempo inteiro. Da mesma maneira, devem existir inúmeras realidades.
.
Não apenas a realidade que percebemos com nossas obtusas sensibilidades, mas um tumulto de realidades arqueando-se uma em cima da outra, por dentro e por fora.
.
É só o medo e o puritanismo que nos leva a acreditar em limites. Não existem limites, nem para pensamentos nem sentimentos. A ansiedade é que estabelece limites. Quando se toca o movimento vagaroso...

PS: Esse filme é muito intenso, e para mim, o melhor do Bergman, eu considero-o o cineasta-analista, ele trabalha muito com o lado psicológico do ser humano. Os cenários são sempre claustrofóbicos, dentro de casas fechadas ou escuras, os diálogos muito intensos, sempre toca na ferida, os personagens são sensíveis e há uma explosão de sentimentos que por alguma necessidade foram abafados durante um tempo e de uma hora para outra sente-se a necessidade de colocá-los para fora. A interpretação da Liv está impecável 
.
- Blog Organizando o Caos
.
. 
SONATA DE OUTONO
.
O histórico encontro de Ingmar Bergman com Ingrid Bergman num filme que é um portentoso exercício de representação
.
Num presbitério de província, Eva escreve uma carta à sua mãe, Charlotte, uma pianista profissional que não vê há sete anos. A mãe chega e, após os primeiros momentos de afectividade, o encontro das duas mulheres muda de tom. Eva e Charlotte começam por discutir sobre a presença de Helene, a irmã mais nova e doente de Eva, que Charlotte não esperava encontrar em casa da filha. Depois, ao piano, mãe e filha voltam a confrontar-se sobre um prelúdio de Chopin, onde a mãe impõe a sua superioridade e virtuosismo. Eva lança-lhe várias acusações e Charlotte toma, inesperadamente, consciência da sua incapacidade afectiva em relação às filhas.
.
Com "Sonata de Outono" o mestre Bergman regressa a temas dominantes na sua obra, como é o caso dos dolorosos confrontos no feminino. Neste caso, entre uma mãe e uma filha que se envolvem numa longa noite de acusações, revelações e amargura. Uma noite de insónias que explode num turbilhão de amor, ódio, desprezo e ternura. Uma longa noite de ajuste de contas emocional que Bergman filma com sufocante rigor, a que a violência verbal acrescenta um estranho e fascinante suspense. Uma admirável realização de Bergman que volta a deter-se no rosto, no olhar e nos gestos de duas mulheres, juntas numa longa jornada através da noite, através da alma e sobre as suas amargas memórias. Tudo isto, servido pela magistral fotografia de Sven Nykvist e, sobretudo, pelo histórico encontro do mais célebre cineasta sueco de sempre com a maior vedeta sueca de todos os tempos, que voltava a representar na sua língua materna pela primeira vez em quarenta anos. Bergman dirigindo Bergman e Liv Ullmann num portentoso desafio de representação.

GÉNERO:
Filmes - Drama
INFORMAÇÃO ADICIONAL:
Maiores de 12
FICHA TÉCNICA:
Duração: 89m (cor)
Produção: Katinka Farago
Realização: Ingmar Bergman
Autoria: Ingmar Bergman
Fotografia: Sven Nykvist
Música: Chopin, Bach e Händel
Tit. Original: «AUTUMN SONATA / HÖSTSONATEN»
Origem: Suécia/Alemanha - 1978
Classific.: M/12
Com: Ingrid Bergman, Liv Ullmann, Lena Nyman, Halvar Bjorn, Gunnar Bjornstrand, Erland Josephson, Linn Ullmann, Kmut Wigert, Georg Lokkeberg, Arna Bang-Hansen.
.

_____
.
 


Cartaz Sonata de Outono
TEATRO
2 A 25 NOV

SONATA DE OUTONO

de INGMAR BERGMAN
SALA PRINCIPAL M/16
Quarta a Sábado às 21h00; Domingo às 17h30

Sinopse

SESSÃO COM INTERPRETAÇÃO EM LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA
18 NOV
Domingo às 17h30
.

O instinto maternal é uma mentira ou Sonata de Outono. Mãe e filha encontram-se depois de sete anos de separação. A mãe, Charlotte, é uma pianista mundialmente famosa, já sexagenária e ainda no auge da sua carreira. Uma mulher capaz de interpretar as mais delicadas composições de Chopin ou Beethoven, mas sempre incompetente ao tentar interpretar a própria filha, Eva. A Eva nenhuma palavra ou gesto lhe passou despercebida ao longo da sua vida, especialmente se estas palavras e gestos vieram da mãe. Considera-se “filha de uma mãe que nunca fica frustrada, decepcionada ou infeliz”, definição que, mesmo irónica, a marcou para sempre, uma vez que Charlotte lhe impôs doses equivocadas de felicidade e segurança. Casada com Viktor, um pastor protestante passivo e observador, ela vê o marido como um amigo, sendo, como é, incapaz de acreditar no amor. Helena, a irmã mais nova, sofre de uma doença degenerativa, o que afastou sempre de si a mãe. Neste regresso, Charlotte é obrigada a confrontar-se com o facto de as duas irmãs viverem juntas. Bergman destrói a convenção das relações afectuosas entre mães e filhas. A dor é a personagem central deste huis-clos que nos sufoca pela sua dureza.
.
FICHA ARTÍSTICA
Texto Ingmar Bergman
Tradução Fernanda Lapa e Jonas Omberg
Encenação Fernanda Lapa e Cucha Carvalheiro
Cenografia e Figurinos António Lagarto
Desenho de Luz Mário Bessa
Selecção Musical Nuno Vieira de Almeida
Elocução Luis Madureira
Assistência de Figurinos Catarina Varatojo
Assistência de Cenografia Pedro MiraInterpretação Fernanda Lapa, Ana Bustorff, Virgílio Castelo e Marta Lapa
Co-produção: SLTM ~ Escola de Mulheres-Oficina de Teatro
.

Primeiro Dia - Sérgio Godinho


.
.
Ícone de canal

daniquico

.
Sergio Godinho - Primeiro Dia - Ao Vivo no CCB
.
O Primeiro Dia - Sérgio Godinho
.
.
A princípio é simples anda-se sozinho
passa-se nas ruas bem devagarinho
está-se bem no silêncio e no borborinho
bebe-se as certezas num copo de vinho
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
.
Pouco a pouco o passo faz-se vagabundo
dá-se a volta ao medo e dá-se a volta ao mundo
diz-se do passado que está moribundo
bebe-se o alento num copo sem fundo
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
.
E é então que amigos nos oferecem leito
entra-se cansado e sai-se refeito
luta-se por tudo o que se leva a peito
bebe-se e come-se se alguém nos diz bom proveito
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
.
Depois vem cansaços e o corpo frequeja
molha-se para dentro e já pouco sobeja
pede-se o descanso por curto que seja
apagam-se duvidas num mar de cerveja
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
.
E enfim duma escolha faz-se um desafio
enfrenta-se a vida de fio a pavio
navega-se sem mar sem vela ou navio
bebe-se a coragem até dum copo vazio
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
.
Entretanto o tempo fez cinza da brasa
outra maré cheia virá da maré vaza
nasce um novo dia e no braço outra asa
brinda-se aos amores com o vinho da casa
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida
.
http://www.hitslyrics.com/s/sergiogodinho-lyrics-9579/oprimeirodia-lyrics-318275.html
.
.
Partilhado pela Mana Flor do Deserto

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Sonata de Outono - Carlos do Carmo


.
.
Blackskinfan | 4 de Outubro de 2008
Português
De novo um grande fado do fantástico Carlos do Carmo. Desta vez decidi dedicar à estação que tamos agora a sentir, o Outono onde este poema descreve todas as suas emoções.
.
.
Sonata de Outono Lyrics
.
.
inverno não é ainda
mas outono
na sonata que bate
no meu peito
poeta distraído
cão sem dono
até na própria cama em que me deito
.
inverno não é ainda
mas outono
na sonata que bate no meu peito
acordar é a forma de ter sonho
o presente o pretérito imperfeito
mesmo eu de mim próprio me abandono
se o rigor que me devo não respeito
acordar é a forma de ter sono
o presente
morro de pé
morro de devagar
a vida é afinal o meu lugar
e só acaba quando eu quiser
ou me deixo ficar
não pode ser 
.
.
http://www.justsomelyrics.com/2271107/Carlos-Do-Carmo-10.-Sonata-de-outono-Lyrics
.
.

domingo, 18 de julho de 2010

Canto Moço - José Afonso

 
luiisfdias | 24 de Abril de 2009
Zeca Afonso - Canto Moço

Somos filhos da madrugada
Pelas praias do mar nos vamos
À procura de quem nos traga
Verde oliva de flor no ramo
Navegamos de vaga em vaga
Não soubemos de dor nem mágoa
Pelas praias do mar nos vamos
À procura da manhã clara

Lá do cimo duma montanha
Acendemos uma fogueira
Para não se apagar a chama
Que dá vida na noite inteira
Mensageira pomba chamada
Companheira da madrugada
Quando a noite vier que venha
Lá do cimo duma montanha

Onde o vento cortou amarras
Largaremos pela noite fora
Onde há sempre uma boa estrela
Noite e dia ao romper da aurora
Vira a proa minha galera
Que a vitória já não espera
Fresca brisa, moira encantada
Vira a proa da minha barca
.
.
.
.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Carlos do Carmo - Estrela da Tarde


.
.

filipeaer | 13 de Janeiro de 2008
Lareira dos pensamentos - Carlos do Carmo - Estrela da Tarde
.
.
Carlos do Carmo
Estrela da tarde - Letra
Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca, tardando-lhe o beijo, mordia
Quando à boca da noite surgiste na tarde tal rosa tardia

Quando nós nos olhámos tardámos no beijo que a boca pedia
E na tarde ficámos unidos ardendo na luz que morria
Em nós dois nessa tarde em que tanto tardaste o sol amanhecia
Era tarde de mais para haver outra noite, para haver outro dia

Meu amor, meu amor
Minha estrela da tarde
Que o luar te amanheça e o meu corpo te guarde
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza
Se tu és a alegria ou se és a tristeza
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza

Foi a noite mais bela de todas as noites que me adormeceram
Dos nocturnos silêncios que à noite de aromas e beijos se encheram
Foi a noite em que os nossos dois corpos cansados não adormeceram
E da estrada mais linda da noite uma festa de fogo fizeram

Foram noites e noites que numa só noite nos aconteceram
Era o dia da noite de todas as noites que nos precederam
Era a noite mais clara daqueles que à noite amando se deram
E entre os braços da noite de tanto se amarem, vivendo morreram

Eu não sei, meu amor, se o que digo é ternura, se é riso, se é pranto
É por ti que adormeço e acordo e acordado recordo no canto
Essa tarde em que tarde surgiste dum triste e profundo recanto
Essa noite em que cedo nasceste despida de mágoa e de espanto

Meu amor, nunca é tarde nem cedo para quem se quer tanto!




.
.
http://www.my-lyrics.ws/actividades/detalhe.php?ID=719
.
.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

High Noon (O comboio apitou 3 vezes) directed by Fred Zinnemann


.
.

gosinka555 | 8 de Fevereiro de 2007
Edited by gosinka555
"High Noon" (1952)
music by Ennio Morricone (Two Mules for Sister Sara)

 .


High Noon Intro


.
Incorporação desactivada por pedido

 . 
miltonwhatever | 1 de Maio de 2007
A great 1952 western direct by Fred Zinnemann, starring Gary Cooper.

Song "High Noon" written by Dimitri Tiomkin, lyrics by Ned Washington and sung by Tex Ritter.
.

 
 http://www.youtube.com/watch?v=kj_GMIRxLf8&feature=related

Incorporação desactivada por pedido

jplot1 | 11 de Janeiro de 2007
My version of this great movie.
.
.



.
.
TheWesternReview | 24 de Maio de 2009
Original theatrical trailer for High Noon (1952), directed by Fred Zinnemann and starring Gary Cooper, Grace Kelly, and Lloyd Bridges.
.
.
 
.
.
pook1711 | 5 de Outubro de 2008
Do not forsake me, My Darling. (High Noon)
.
.
 
.
.
Pequinito | 29 de Julho de 2007
A tribute to the 1952 western HIGH NOON starring Gary Cooper and Grace Kelly. Cooper won the best actor for his role. The theme song "Do not forsake me" was sung over the credits by Tex Ritter. This is a cover of the Frankie Laine version.
.
Words and music by Ned Washington/Dmitri Tiomkin
.
.
Do not forsake me O my darlin'
On this our wedding day
Do not forsake me O my darlin'
Wait, wait along
I do not know what fate awaits me
I only know I must be brave
And I must face the man who hates me
Or lie a coward, a craven coward,
Or lie a coward in my grave.
O to be torn 'twixt love and duty!
S'posin' I lose my fair-haired beauty!
Look at that big hand move along
Nearin' high noon.
He made a vow while in State's Prison,
Vow'd it would be my life or his'n'
I'm not afraid of death, but O,
What will I do if you leave me?
Do not forsake me O my darlin'
You made that promise as a bride
Do not forsake me O my darlin'
Although you're grievin', don't think of leavin'
Now that I need you by my side.
Wait along, wait along
Wait along
Wait along

.
.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

O FOGO E AS CINZAS & TEMPO DE SOLIDÃO - MANUEL DA FONSECA

Domingo, 7 de Dezembro de 2008
.
O FOGO E AS CINZAS & TEMPO DE SOLIDÃO - MANUEL DA FONSECA

Manuel da Fonseca, um dos maiores representantes do neo-realismo português, além de exímio contista, destaca-se também como romancista (“Cerromaior” -1943, “Seara do Vento” - 1958) e poeta (“Rosa dos Ventos” - 1940, “Planície” - 1942). É como contista que iremos analisá-lo a seguir.
.
Ao contrário das personagens de Miguel Torga, que surgem do nada e tornam-se densas e humanas, as personagens dos contos de Manuel da Fonseca são mais elaboradas, mais estruturadas, dificilmente surpreendem dentro do imprevisto. As personagens adquirem uma personalidade psicológica que evoluí conforme o meio social em que se encontra, mantendo sempre uma estrutura equilibrada, de onde a razão vai de encontro ao que esperamos da vida, do quotidiano, seja ele vivido no campo ou na cidade. Cada personagem ficcional de Manuel da Fonseca parece a reunião de três indivíduos reais, ou seja, o autor transporta para a ficção duas ou três personalidades reais, fazendo assim, um trabalho de elaboração, onde a história contada tende a um clímax esperado, nunca, ou quase nunca, espontâneo como vimos nos contos de Miguel Torga. Aqui analisaremos os livros de contos “O Fogo e as Cinzas” e “Tempo de Solidão”, duas obras de tempos diferentes da história portuguesa. O “O Fogo e as Cinzas“ é o retrato das pequenas vilas e aldeias do interior português, personagens típicas dessas terras, que compõem o conjunto de uma sociedade secular. “Tempo de Solidão” retrata a cidade da grande, a urbanidade e a transformação dos costumes, o homem do interior migra para a grande cidade, muitas vezes a perder-se diante do anonimato urbano.

O Fogo e as Cinzas, Retratos do Interior Português

Ao analisarmos os contos do livro “O Fogo e as Cinzas” (19ª edição - Caminho - 1992), vamos encontrar semelhanças com os “Contos da Montanha” de Miguel Torga. Tal qual Torga, estes contos foram escritos durante o Estado Novo, tendo sido publicados pela primeira vez em 1951. Para compreendermos melhor a época, os contos estão situados numa Europa pós-guerra, onde os primeiros anos da guerra fria e da afirmação nuclear são os principais problemas. Enquanto assistimos ao enterro dos nacionalismos extremados, o Nazismo na Alemanha e o Fascismo na Itália, a Península Ibérica vive sob as ditaduras de Franco em Espanha e de Salazar em Portugal. É na ditadura de Salazar, voltada para as colônias africanas, numa política totalmente isolada do resto da Europa, fechada às mudanças intelectuais do mundo, que surge os contos aqui analisados. Neles vamos sentindo uma desolação das personagens que pouco a pouco. vêem surgir lentamente um progresso nas vilas e nas aldeias. Com este progresso acontece a perda de certos costumes, o eterno olhar saudosista do português sobre o que evoluí e o que se perde com tal evolução.
.
Manuel da Fonseca faz desses contos sutis viagens através de Troia, desce por Sines, Milfontes, guia-nos até o Alentejo, indo desembocar no Algarve. Ao contrário de Torga, que faz das pedras transmontanas o cenário das suas personagens, Fonseca faz de várias regiões personagens também do campo, mas não só a gente que trabalha na terra, a gente humilde e sem esperança, aqui surge também donos de terras, com todos os seus caprichos e passionalismos, como no conto “Amor Agreste", onde força e paixão assumem um voluntarismo subtil, numa tensão mista de amor e desejo:

“António de Alba Grande, que tirara a namorada de dentro da golpelha, livrou-a da mordaça e da corda que lhe tolhia os membros. Afastou-se um pouco para o lado.“

Também encontramos trabalhadores típicos das vilas como os bombeiros voluntários, uma profissão muito respeitada e quase heróica no interior português. No conto “O Fogo e as Cinzas”, são as memórias da personagem descritas na primeira pessoa, que nos conduz através dos acontecimentos que mudaram a sua vida. Por duas vezes o fogo na cidade alterou a vida da personagem. A primeira vez, quando a namorada foi salva, mas quando saiu nos braços do bombeiro quase nua, o narrador jamais aceitou a vergonha do fato, deixando-se dominar pelo machismo e preconceitos das aldeias:

E poderia eu ter casado com Antoninha, depois de todos a observarem de barriga ao léu? Ainda agora coro ao pensar que estive quase, quase a fazê-lo.”

Também vamos encontrar os tropas de “Noite de Natal”, os mendigos, o adolescente que abandona a infância de “O Retrato”, enfim, as personagens mais diversificadas e típicas, que constroem um realismo lusitano.
.
Ao olharmos para os contos de Manuel da Fonseca, vamos encontrar as personagens normalmente inseridas em determinados locais , num largo, num café, numa casa, cujas ações das mesmas vão sucedendo como um cotidiano bucólico, um marasmo perene do dia a dia. Primeiro os costumes vão sendo descritos para que tenhamos uma visão perfeita do local focalizado, do espaço, do ambiente, onde as personagens surgem como visitas, lentamente tomam forma e adquirem o controlo das ações, sobressaindo-se ao cenário. O tempo é sempre o momento de contar uma história, pode ser uma noite na taberna, um dia num monte alentejano, alguns anos no largo de uma cidade, mas sempre de acordo com a evolução da visão das personagens diante da vida. Assim, as marcas da transformação dos tempos e da paisagem, vão sendo mostradas diante da descrição da sensação das personagens. É o progresso que chega e leva embora a paisagem humana:

“Antigamente, o Largo era o centro do mundo. Hoje é apenas um cruzamento de estradas, com casas em volta e uma rua que sobe para a Vila. O vento dá nas faias e a ramaria farfalha num suave gemido, o pó redemoinha e cai sobre o chão deserto. Ninguém. A vida mudou-se para o outro lado da Vila.”
.
Na descrição acima, no conto “O Largo”, ao contrário das personagens de Torga, onde parecem submergirem da paisagem agreste, as personagens de Manuel da Fonseca vêm em primeiro plano. O traço psicológico é evidenciado a cada parágrafo, as transformações do ambiente e do cenário vão sendo analisados por determinada personagem, que psicologicamente acompanha as mudanças do ambiente e, por fim, a mudança de atitudes, ou seja, elas evoluem mediante o exterior:

“O comboio Matou o Largo. Sob o rumor do rodado de ferro morreram homens que eu supunha eternos. O senhor Palma Branco, alto, seco, rodeado de respeito. Os três irmãos Montenegro, espadaúdos e graves. Badina fraco e repontão. O Estroina, bêbado, trocando as pernas, de navalha em punho. o Má Raça, rangendo os dentes, sempre enraivecido contra tudo e todos. O lavrador de Alba Grande, plantado ao meio do Largo com a sua serena valentia. Mestre Sobral. Ui Cotovio, rufião, de caracol sobre a testa. O Acácio, o bebedola do Acácio, tirando retratos, curvado debaixo do grande pano preto.”
.
Tempo de Solidão, Uma Urbanidade Saudosista

Ao analisarmos os contos de “Tempo de Solidão” (3ª edição - Caminho -1985), vamos encontrar um Manuel da Fonseca totalmente urbano, perdido no progresso rápido da tecnologia, inserido no dia a dia da cidade e nas latitudes suburbanas ao redor dos grandes centros. Devemos analisar com a visão da mudança dos tempos, pois o conto “Tempo de Solidão” foi editado pela primeira vez em 1969, pelos Estúdios Cor. Nele vamos encontrar a solidão de um casal, separado pelo dia a dia, pelo trabalho na cidade. Os despojos do dia, os acessórios do cotidiano, a casa no subúrbio, a creche do filho, o telefone, a secretária, os escritórios; enfim, um mundo de transição entre o fim do regime salazarista e das mudanças contidas pré-1974. Nota-se perfeitamente o azedume de não ver nada além do marasmo, a tristeza de viver um tempo de estio. As personagens são tomadas por uma desolação do quotidiano, por um saudosismo dos tempos dos cafés do interior, da vida sem o metropolitano, da cidade sem o campo. Silvia e Guilherme temem o dia a dia, a opressão da nova vida urbana que vivem, o estar juntos, mas distanciados pela correria dos dias. Trabalhos separados, camas juntas, o encontro no fim da noite, os desejos do dia a dia. Desejos voyeuristas e dissimulados. A vontade de quebrar com o estabelecido, de fugir da rotina, o massacre das obrigações, as culpas do silêncio de cada um, por fim os corpos que se desejam no fim da noite, fazendo do momento de prazer a fuga de tudo:

“A princípio confuso, depois nítido, sobre os ombros de Guilherme, e apagando-lhe as feições, surge aos olhos de Sílvia a cara do “operário”, tal como ela a sentira, no consultório: calma, forte, repassando-a de serenidade. No mesmo instante, sobre o vidro embaciado da janela do comboio, projecta-se, aos olhos de Guilherme, como imagem de perdida felicidade, o rosto fresco e jovem da mulher entrevista no café. “
.
Nestes contos, também nos deparamos com a venda das ideologias em nome da posição social e do trabalho. A personagem de “Uma Boa Passagem de Ano” é o exemplo do homem que para ter uma subida social dentro da empresa, despojou-se de valores pessoais, intimistas, perdendo um certo orgulho próprio. Apesar de querer estar em determinada posição social, é claramente repelido pelos outros, quando ele próprio repele àqueles que não pensam como ele ou, não sobem nas esferas sociais. Melancolicamente descobre que a sua ascensão é uma farsa, que apesar das mudanças, continua a admirar o amigo que mais pensa desprezar, e despreza a si próprio:

Ria tanto que me agarrei à barriga. E ao chegar ao carro ainda ria. “O Dimas não percebe”, pensava eu, e ria. “Cada um no seu lugar”, ria eu, de olhos arrasados de lágrimas. “Sim - ofendidos, mas curvados!” ”

Traçando um pouco o retrato do escritor famoso que não gosta de dar entrevistas, Manuel da Fonseca retrata em “A Entrevista” o modelo ideal do novo homem que viria com os anos setenta, ou seja ,o jovem pobre do interior, que para sobreviver trabalhava em vários empregos e custeava os estudos. Aqui ainda o reflexo do salazarismo, em que a luta, o trabalho, a humildade, fazem da componente psicológica do português o estereótipo do fim do Estado Novo:

“-Uma parte, na província, outra parte, aqui, na cidade. Um homem e uma mulher que passam tormentos para que o filho tire um curso. Querem elevá-lo à classe beneficiada pelo dinheiro. É assim que eles pensam que se deve fazer. Mas, na cidade, há uma rapariga que pensa de maneira diferente. E o rapaz, o tal que anda a tirar o curso à custa da miséria dos pais, descobre o erro em que vive. É isto o romance...”

Manuel da Fonseca , é aqui mais melancólico do que nunca, parece muitas vezes fugir do tempo atual e mergulhar no saudosismo de outrora. Saudades da juventude ou do tempo em que Portugal era um país de brandos costumes, com uma guerra colonial nas costas e cinqüenta anos de ostracismo cultural trancados nos calabouços da história? Saudades portuguesas.

Manuel da Fonseca
Manuel Lopes Fonseca, escritor do neo-realismo português, nasceu em 15 de outubro de 1911, em Santiago do Cacém, região do Alentejo.
.
Manuel da Fonseca deixou o Alentejo para concluir os estudos em Lisboa. Mas é o Alentejo com as suas aldeias e vilas, que vai povoar o universo do escritor ao longo de sua obra, que mais tarde acaba por se tornar urbana.
.
Militante do Partido Comunista Português (PCP), esta militância e escolha ideológica refletir-se-iam claramente na composição psicológica das personagens e na sociedade que as cercava. O escritor fez parte do grupo do Novo Cancioneiro, fazendo da sua obra uma importante intervenção social e política.
.
Manuel da Fonseca chegou a fazer a Escola de Belas-Artes, deixando registros dos seus traços em retratos de amigos, com José Cardoso Pires, mas nunca se sobressaiu como artista plástico.
.
Manuel da Fonseca morreu em 11 de março de 1993, em Lisboa, aos 81 anos de idade.


OBRAS:

Poesia

1940 – Rosa dos Ventos
1942 – Planície
1958 – Poemas Dispersos
1958 – Poemas Completos

Contos

1942 – Aldeia Nova
1951 – O Fogo e as Cinzas
1968 – Um Anjo no Trapézio
1973 – Tempo de Solidão

Romance

1943 – Cerromaior
1958 – Seara de Vento

Crônicas

1989 – Crônicas Algarvias
.
.
publicado por virtualia às 19:00
.
http://virtualia.blogs.sapo.pt/14198.html
.

Dados Pessoais

Nome
JEOCAZ
Apelido
LEE-MEDDI
.
.

.
.

terça-feira, 13 de julho de 2010

O Tempo e Espaço na Literatura



Distraio ao som do móbile de bambú cantando ao vento que lhe acode. Disparo idéias sem fim, pois que nada alcançam, para logo em seguida esquecer na impessoalidade aquele dom que distancia. Divago.
Em que tempo se passa a literatura? Segundo Jorge Luis Borges, a literatura acontece quando o leitor participa, ou seja, quando ele abre o livro. Antes, era apenas um amontoado de folhas encadernadas, com alguma imagem que deveria ser interessante: uma isca.
.
Se formos adotar a teoria de Borges, deveríamos crer, então, que o tempo seria algo pessoal, pois se a literatura acontece em dependência do leitor, sem este nada aconteceria. De certa forma, um livro fechado e sozinho sobre uma mesa nada significa. Porém o escritor – que escreve e lê o que ele mesmo escreveu – participa desse tempo, mesmo que em princípio. Tendo isto em vista, lembremos ainda uma idéia exposta pelo mesmo autor de que o universo seria um único e imenso livro. Não é de admirar essa afirmativa, ainda mais se a tomarmos embutida nesse mesmo universo. Sim, pois se o tempo da literatura acontece quando o leitor abre o livro, também poderemos propor que, na verdade, o que existe são pausas de leitura, pausas nesse literatura quando não acessada. A cada novo acesso, a cada vez que aquele livro sobre a mesa é aberto, na verdade o que pegamos são fragmentos de tempo.
.
O leitor acessa essa máquina do tempo – um tempo que participa do impessoal e pessoal simultaneamente – e atravessa fronteiras montado no cavalo veloz da imaginação criativa. O leitor adapta o livro, o encaixa em seu próprio tempo. E quando isso acontece ele pode dizer que o livro é bom, pois o livro e o leitor passam a ser um só, ocupando o mesmo espaço (imaginação) e o mesmo tempo (co-criação). E a literatura acontece, plenamente.
.
.

Ilusionismo Quadrilátero

ILUSIONISMO
.

* Victor Nogueira .
.
Ele há um tempo p’ra tudo na vida
Cantando hora, minuto, segundo;
Por isso sempre existe uma saída
Enquanto nós estivermos neste mundo.
.
Há um tempo para não fenecer
Há mar, sol, luar e aves com astros
Há uma hora p'ra amar ou morrer
E tempo para não se ficar de rastos.
.
P'ra isso e' preciso sabedoria
Em busca dum bom momento, oportuno,
Com ar, bom vinho, pão e cantoria,
Sem se confundir a nuvem com Juno.
.
1991.08.11 - SETUBAL