Tempo em Setúbal

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Relógios da moda retrô

nn
Os relógios da Bavarian Crono têm em seus visores a aparência de velocímetro de carros de época, perfeitos para presentear os amantes de velocidade. A inspiração vem de modelos de 1946 a 1971, dentre eles o Karmann Ghia 1966. Os relógios Carocha são acionados por um mecanismo de quartzo do fabricante suíço de relógios Ronda. Os modelos possuem, além da extrema beleza, excelente precisão e bateria de longa duração. Meu avô que iria gostar disso!
nn
.
http://wp.clicrbs.com.br/semcensura/2010/08/28/relogios-da-moda-retro/?topo=84,2,18,,,77
.
.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Charles Aznavour - Je n'ai pas vu le temps passer


.
.
nhikmetran | 13 de janeiro de 2008
Charles Aznavour - Je n'ai pas vu le temps passer


Plus je m'enfonce dans ma vie
Plus je ne peux que constater
Qu'au vent léger de mes folies
Je n'ai pas vu le temps passer
Entre les draps de la jeunesse
Quand je dormais à poings fermés
A l'horloge de mes faiblesses
Je n'ai pas vu le temps passer

Je n'ai pas vu le temps courir
Je n'ai pas entendu sonner
Les heures de mon devenir
Quand je fonçais tête baissée
Vers ce qu'était un avenir
Et qui est déjà du passé

Aux mille questions que se pose
Mon esprit souvent perturbé
Seule une réponse s'impose
Je n'ai pas vu le temps passer

A faire le tour de moi-même
Dans un rayon très limité
Dans le miroir de mes "je t'aime"
Je n'ai pas vu le temps passer

Et d'ouverture en ouverture
Au tempo des amours pressées
J'ai dû sauter quelques mesures
Je n'ai pas vu le temps passer

Quand je rêvais les yeux ouverts
En pensant que j'avais le temps
Je n'ai pas entrepris le tiers
Des choses dont je parlais tant
Et j'ai vu s'installer l'hiver
Dans la folie de mes vingt-ans

Et puis soudain la cinquantaine
Le demi-siècle consommé
A la table de mes fredaines
Au moment où les jeux sont faits
Que tous mes atouts sont jetés
Je ne peux dire qu'à regret

Je n'ai pas vu le temps passer
.
.

LLANTO PER IGNACIO SANCHEZ MEJIAS - Frederico Garcia Lorca

 

LLANTO PER IGNACIO SANCHEZ MEJIAS

(1935)

A MI QUERIDA AMIGA
ENCARNACION LOPEZ JULVEZ


Federico García Lorca (1898 - 1936)


1

LA COGIDA Y LA MUERTE

A las cinco de la tarde.
Eran las cinco en punto de la tarde.
Un niño trajo la blanca sábana
a las cinco de la tarde.
Una espuerta de cal ya prevenida
a las cinco de la tarde.
Lo demás era muerte y sólo muerte
a las cinco de la tarde.
El viento se llevó los algodones
a las cinco de la tarde.
Y el óxido sembró cristal y níquel
a las cinco de la tarde.
Ya luchan la paloma y el leopardo
a las cinco de la tarde.
Y un muslo con un asta desolada
a las cinco de la tarde.
Comenzaron los sones del bordón
a las cinco de la tarde.
Las campanas de arsénico y el humo
a las cinco de la tarde.
En las esquinas grupos de silencio
a las cinco de la tarde.
¡Y el toro, solo corazón arriba!
a las cinco de la tarde.
Cuando el sudor de nieve fue llegando
a las cinco de la tarde,
cuando la plaza se cubrió de yodo
a las cinco de la tarde,
la muerte puso huevos en la herida
a las cinco de la tarde.
A las cinco de la tarde.
A las cinco en punto de la tarde.
Un ataúd con ruedas es la cama
a las cinco de la tarde.
Huesos y flautas suenan en su oído
a las cinco de la tarde.
El toro ya mugía por su frente
a las cinco de la tarde.
El cuarto se irisaba de agonía
a las cinco de la tarde.
A lo lejos ya viene la gangrena
a las cinco de la tarde.
Trompa de lirio por las verdes ingles
a las cinco de la tarde.
Las heridas quemaban como soles
a las cinco de la tarde,
y el gentío rompía las ventanas
a las cinco de la tarde.
A las cinco de la tarde.
¡Ay qué terribles cinco de la tarde!
¡Eran las cinco en todos los relojes!
¡Eran las cinco en sombra de la tarde!
.
http://users.fulladsl.be/spb1667/cultural/lorca/llanto_por_ignacio_sanchez_mejias/la_cogida_y_la_muerte.html
.

Federico García Lorca (1898 - 1936)


2

LA SANGRE DERRAMADA

¡Que no quiero verla!
Dile a la luna que venga,
que no quiero ver la sangre
de Ignacio sobre la arena.
¡Que no quiero verla!
La luna de par en par,
caballo de nubes quietas,
y la plaza gris del sueño
con sauces en las barreras
¡Que no quiero verla¡
Que mi recuerdo se quema.
¡Avisad a los jazmines
con su blancura pequeña!
¡Que no quiero verla!
La vaca del viejo mundo
pasaba su triste lengua
sobre un hocico de sangres
derramadas en la arena,
y los toros de Guisando,
casi muerte y casi piedra,
mugieron como dos siglos
hartos de pisar la tierra.
No.
¡Que no quiero verla!
Por las gradas sube Ignacio
con toda su muerte a cuestas.
Buscaba el amanecer,
y el amanecer no era.
Busca su perfil seguro,
y el sueño lo desorienta.
Buscaba su hermoso cuerpo
y encontró su sangre abierta.
¡No me digáis que la vea!
No quiero sentir el chorro
cada vez con menos fuerza;
ese chorro que ilumina
los tendidos y se vuelca
sobre la pana y el cuero
de muchedumbre sedienta.
¡Quién me grita que me asome!
¡No me digáis que la vea!
No se cerraron sus ojos
cuando vio los cuernos cerca,
pero las madres terribles
levantaron la cabeza.
Y a través de las ganaderías,
hubo un aire de voces secretas
que gritaban a toros celestes,
mayorales de pálida niebla.
No hubo príncipe en Sevilla
que comparársele pueda,
ni espada como su espada,
ni corazón tan de veras.
Como un rio de leones
su maravillosa fuerza,
y como un torso de mármol
su dibujada prudencia.
Aire de Roma andaluza
le doraba la cabeza
donde su risa era un nardo
de sal y de inteligencia.
¡Qué gran torero en la plaza!
¡Qué gran serrano en la sierra!
¡Qué blando con las espigas!
¡Qué duro con las espuelas!
¡Qué tierno con el rocío!
¡Qué deslumbrante en la feria!
¡Qué tremendo con las últimas
banderillas de tiniebla!
Pero ya duerme sin fin.
Ya los musgos y la hierba
abren con dedos seguros
la flor de su calavera.
Y su sangre ya viene cantando:
cantando por marismas y praderas,
resbalando por cuernos ateridos
vacilando sin alma por la niebla,
tropezando con miles de pezuñas
como una larga, oscura, triste lengua,
para formar un charco de agonía
junto al Guadalquivir de las estrellas.
¡Oh blanco muro de España!
¡Oh negro toro de pena!
¡Oh sangre dura de Ignacio!
¡Oh ruiseñor de sus venas!
No.
¡Que no quiero verla!
Que no hay cáliz que la contenga,
que no hay golondrinas que se la beban,
no hay escarcha de luz que la enfríe,
no hay canto ni diluvio de azucenas,
no hay cristal que la cubra de plata.
No.
¡¡Yo no quiero verla!!
.

Federico García Lorca (1898 - 1936)


3

CUERPO PRESENTE

La piedra es una frente donde los sueños gimen
sin tener agua curva ni cipreses helados.
La piedra es una espalda para llevar al tiempo
con árboles de lágrimas y cintas y planetas.
Yo he visto lluvias grises correr hacia las olas
levantando sus tiernos brazos acribillados,
para no ser cazadas por la piedra tendida
que desata sus miembros sin empapar la sangre.
Porque la piedra coge simientes y nublados,
esqueletos de alondras y lobos de penumbra;
pero no da sonidos, ni cristales, ni fuego,
sino plazas y plazas y otras plazas sin muros.
Ya está sobre la piedra Ignacio el bien nacido.
Ya se acabó; ¿qué pasa? Contemplad su figura:
la muerte le ha cubierto de pálidos azufres
y le ha puesto cabeza de oscuro minotauro.
Ya se acabó. La lluvia penetra por su boca.
El aire como loco deja su pecho hundido,
y el Amor, empapado con lágrimas de nieve
se calienta en la cumbre de las ganaderías.
¿Qué dicen? Un silencio con hedores reposa.
Estamos con un cuerpo presente que se esfuma,
con una forma clara que tuvo ruiseñores
y la vemos llenarse de agujeros sin fondo.
¿Quién arruga el sudario? ¡No es verdad lo que dice!
Aquí no canta nadie, ni llora en el rincón,
ni pica las espuelas, ni espanta la serpiente:
aquí no quiero más que los ojos redondos
para ver ese cuerpo sin posible descanso.
Yo quiero ver aquí los hombres de voz dura.
Los que doman caballos y dominan los ríos;
los hombres que les suena el esqueleto y cantan
con una boca llena de sol y pedernales.
Aquí quiero yo verlos. Delante de la piedra.
Delante de este cuerpo con las riendas quebradas.
Yo quiero que me enseñen dónde está la salida
para este capitán atado por la muerte.
Yo quiero que me enseñen un llanto como un río
que tenga dulces nieblas y profundas orillas,
para llevar el cuerpo de Ignacio y que se pierda
sin escuchar el doble resuello de los toros.
Que se pierda en la plaza redonda de la luna
que finge cuando niña doliente res inmóvil;
que se pierda en la noche sin canto de los peces
y en la maleza blanca del humo congelado.
No quiero que le tapen la cara con pañuelos
para que se acostumbre con la muerte que lleva.
Vete, Ignacio: No sientas el caliente bramido.
Duerme, vuela, reposa: ¡También se muere el mar!

.

Federico García Lorca (1898 - 1936)


4

ALMA AUSENTE

No te conoce el toro ni la higuera,
ni caballos ni hormigas de tu casa.
No te conoce el niño ni la tarde
porque te has muerto para siempre.
No te conoce el lomo de la piedra,
ni el raso negro donde te destrozas.
No te conoce tu recuerdo mudo
porque te has muerto para siempre.
El otoño vendrá con caracolas,
uva de niebla y monjes agrupados,
pero nadie querrá mirar tus ojos
porque te has muerto para siempre.
Porque te has muerto para siempre,
como todos los muertos de la Tierra,
como todos los muertos que se olvidan
en un montón de perros apagados.
No te conoce nadie. No. Pero yo te canto.
Yo canto para luego tu perfil y tu gracia.
La madurez insigne de tu conocimiento.
Tu apetencia de muerte y el gusto de tu boca.
La tristeza que tuvo tu valiente alegría.
Tardará mucho tiempo en nacer, si es que nace,
un andaluz tan claro, tan rico de aventura.
Yo canto su elegancia con palabras que gimen
y recuerdo una brisa triste por los olivos.
.
http://users.fulladsl.be/spb1667/cultural/lorca/llanto_por_ignacio_sanchez_mejias/alma_ausente.html
.
.
.
..

domingo, 29 de agosto de 2010

Charles Aznavour : Hier encore


.
.

cainkuri | 28 de setembro de 2006
Charles Aznavour

((Thanks to Montmib for sending me the lyrics))


Lyrics Aznavour : Hier encore
Lyrics Aznavour : Hier encore Voici direct ce qu'il dit durant sa chanson. C'est excellent ! Merci de la garder sur youtube et d'y ajouter les paroles à côté.

Charles Aznavour : Hier encore

Lorsque lon tient,
Entre ses mains,
Cette richesse,
Avoir 20 ans,
Des lendemains plein de promesses,
Quand lamour, sur nous se penche,
Pour nous offrir ses nuits blanches,
Lorsque lon voit,
Loin devant soi, vivre la vie,
Broder lespoir, riche de joies, et de folies,
Il faut boire,
Jusquà livresse, sa jeunesse,

Tard, tous les instants de nos 20 ans nous sont comptés,
Et jamais plus, le temps perdu, ne nous fait face,
Il passe,
Souvent en vain, nous tend les mains, et nous regrette,
Il est trop tard,
Sur son chemin, rien ne larrête,
On ne peut garder sans cesse, sa jeunesse.

Hier encore, javais 20 ans, je caressais le temps et jouait de la vie,
Comme on joue de lamour et je vivais la nuit, sans compter sur mes jours qui fuyaient dans le temps,
Jai fait tant de projets qui sont restés en lair,
Jai fondé tant despoirs qui ses sont envolés,
Et je reste perdu ne sachant où aller,
Les yeux cherchant le ciel, mais le cœur mis en tête,

Hier encore, javais 20 ans, je gaspillais le temps, en croyant larrêter,
Et pour le retenir, même le devancer,
Je nai fait que courir, je me suis essoufflé,
Ignorant le passé, conjuguant au futur,
Je précédais de moi toute conversation,
Et donnais mon avis, ce que je voulais de bon,
Pour critiquer le monde avec désinvolture,

Hier encore, javais 20 ans, mais jai perdu mon temps, à faire des folies,
Qui ne me laissent au fond rien de vraiment précis,
Que quelques rires au fond et la peur de lennui,
Car mes amours sont morts avant dexister,
Mes amis sont partis, ils ne reviendront pas,
Par ma faute jai fait le vide autour de moi,
Et jai gâché ma vie et mes jeunes années,
Du meilleur et du pire en jetant le meilleur,
Jai figé mes sourires, jai glacé mes pleurs,
Où sont-ils à présent, à présent, mes 20 ans ?

Lorsque lon tient, entre ses mains, cette richesse,
Avoir 20 ans, des lendemains plein de promesses,
Il faut boire, jusquà livresse, sa jeunesseeeeeeeee !!!!!!
.
.

sábado, 28 de agosto de 2010

Cem anos de Solidão, de Gabriel Garcia Marquez



Cem anos de Solidão

Resumo deste clássico de Gabriel Garcia Marquez
.
   Cem anos de solidão é um romance escrito pelo autor colombiano Gabriel Garcia Marquez. Este livro foi publicado pela primeira vez na cidade de Buenos Aires, Argentina, no ano de 1967. Desde então, o livro catapultou Garcia Marquez para o centro da fama literária. Prova disso foi o Prêmio Nobel de Literatura ganho pelo autor em 1982. Pablo Neruda disse uma vez que “Cem anos de solidão” é o melhor livro em espanhol já escrito desde Dom Quixote. Esta opinião foi confirmada em 2007, no IV Congresso Internacional da Lingua Espanhola, realizado em Cartagena, Colômbia. Cem anos de solidão teve tiragem inicial de 8 mil exemplares, mas já vendeu mais de 30 milhões de exemplares em todo o mundo desde o seu lançamento.

   Cem anos de solidão se passa na cidade imaginária de Macondo, e conta a história de seus fundadores liderados pela família Buendia-Iguaran. José Arcadio Buendía é o patriarca da família e Úrsula Iguarán a matriarca. Trata-se de um casal de primos, que se casaram assustados pelo mito de que o casamento entre familiares poderia gerar filhos com rabos de porco. Este temor cria situações divertidas no início do relacionamento, mas também situações trágicas, e será, em última análise, o causador da mudança de cidade do casal para fundar Macondo.

   O nome Macondo aparece em Cem anos de Solidão sem nenhuma grande explicação. José Arcadio Buendía, durante a sua viagem de saída da cidade natal, tem um sonho de uma cidade cujas construções têm paredes de espelhos e cujo nome é Macondo, mas esse nome não tem nenhum significado.

   O casal tem três filhos: José Arcadio, Aureliano Buendía e Renata buendía. Posteriormente há a chegada de Rebeca. A cidade de Macondo é fundada por algumas famílias que acompanharam os Buendía durante a sua viagem, mas José Arcadio Buendía é o líder da comunidade, responsável por fazer a divisão de recursos e mediação de conflitos. Em pouco tempo, a cidade é achada por um grupo de ciganos, que trazem diversas descobertas ao povo de Macondo. Entre os ciganos está Malquíades, um sábio que morre e ressuscita diversas vezes no decorrer da história, personagem chave para o enredo de Cem Anos de Solidão.

   Então, a história de Cem Anos de Solidão passa a girar em torno da família Buendía por diversas gerações. São mostrados os encontros e desencontros ocorridos nas vidas de seus membros por diversos anos, até que o último Buendía vivo consegue decifrar as escrituras que prediziam o futuro da família. Neste trajeto, há uma mistura bastante rica e bem dosada de elementos, personagens e passagens, que incluem um comboio carregado de cadáveres. Uma população inteira que perde a memória. Mulheres que se trancam por décadas numa casa escura. Homens que arrastam atrás de si um cortejo de borboletas amarelas.
.

 A história é belíssima e em diversos momentos é difícil entender se Cem Snos de Solidão segue os padrões da realidade ou se é uma história épica. Os casos e personagens remetem a habitantes de cidades do interior da América Latina, os casos fantásticos e a longevidade das pessoas também lembra os casos contados pelos mais velhos, nas cidades pequenas da América Latina. O tema central do livro é a solidão, pois parece que todos os integrantes da família, das mais diversas gerações, estão fadados a conviver com a solidão.

   Em termos literários, Cem Anos de Solidão possui uma narração em terceira pessoa, escolhe um espaço único para desenvolver a história e tem um ritmo próprio e continuo, tudo isso junto facilita a familiarização do leitor com a história. O estilo do livro é o do realismo fantástico, que extrapola o que se convenciona chamar de realidade, para criar situações ricas em sentido e conotações, um grande prazer para o leitor.
.
http://www.imeviolao.com.br/arte-cultura/literatura/cem-anos-solidao.html
.
.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Camões - Sete anos de pastor Jacob servia

Esses dias andando pela rua, lembrei de alguns versos desse soneto de Camões que li ainda adolescente. Não lembrava o autor e nem o verso completo, só lembrava que era belo.

Ontem consegui lembrar boa parte dele e hoje, graças ao Google. Achei na íntegra o que para mim, é um dos mais belos sonetos que há. Você concorda?


Para quem não conhece, logo após o poema segue a história biblíca de Jacó e Raquel:


Camões - Sete anos de pastor Jacob servia

Sete anos de pastor Jacob servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
Mas não servia ao pai, servia a ela,
E a ela só por prémio pretendia.

Os dias, na esperança de um só dia,
Passava, contentando-se com vê-la;
Porém o pai, usando de cautela,
Em lugar de Raquel lhe dava Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos
Lhe fora assi negada a sua pastora,
Como se a não tivera merecida;

Começa de servir outros sete anos,
Dizendo: – Mais servira, se não fora
Para tão longo amor tão curta a vida!


A história


Gênesis, Capítulo 29

1 Então pôs-se Jacó a caminho e chegou à terra dos filhos do Oriente.
2 E olhando, viu ali um poço no campo, e três rebanhos de ovelhas deitadas junto dele; pois desse poço se dava de beber aos rebanhos; e havia uma grande pedra sobre a boca do poço.
3 Ajuntavam-se ali todos os rebanhos; os pastores removiam a pedra da boca do poço, davam de beber às ovelhas e tornavam a pôr a pedra no seu lugar sobre a boca do poço.
4 Perguntou-lhes Jacó: Meus irmãos, donde sois? Responderam eles: Somos de Harã.
5 Perguntou-lhes mais: Conheceis a Labão, filho de Naor; Responderam: Conhecemos.
6 Perguntou-lhes ainda: vai ele bem? Responderam: Vai bem; e eis ali Raquel, sua filha, que vem chegando com as ovelhas.
7 Disse ele: Eis que ainda vai alto o dia; não é hora de se ajuntar o gado; dai de beber às ovelhas, e ide apascentá-las.
8 Responderam: Não podemos, até que todos os rebanhos se ajuntem, e seja removida a pedra da boca do poço; assim é que damos de beber às ovelhas.
9 Enquanto Jacó ainda lhes falava, chegou Raquel com as ovelhas de seu pai; porquanto era ela quem as apascentava.
10 Quando Jacó viu a Raquel, filha de Labão, irmão de sua mãe, e as ovelhas de Labão, irmão de sua mãe, chegou-se, revolveu a pedra da boca do poço e deu de beber às ovelhas de Labão, irmão de sua mãe.
11 Então Jacó beijou a Raquel e, levantando a voz, chorou.
12 E Jacó anunciou a Raquel que ele era irmão de seu pai, e que era filho de Rebeca. Raquel, pois foi correndo para anunciá-lo a, seu pai.
13 Quando Labão ouviu essas novas de Jacó, filho de sua irmã, correu-lhe ao encontro, abraçou-o, beijou-o e o levou à sua casa. E Jacó relatou a Labão todas essas, coisas.
14 Disse-lhe Labão: Verdadeiramente tu és meu osso e minha carne. E Jacó ficou com ele um mês inteiro.
15 Depois perguntou Labão a Jacó: Por seres meu irmão hás de servir-me de graça? Declara-me, qual será o teu salário?
16 Ora, Labão tinha duas filhas; o nome da mais velha era Léia, e o da mais moça Raquel.
17 Léia tinha os olhos enfermos, enquanto que Raquel era formosa de porte e de semblante.
18 Jacó, porquanto amava a Raquel, disse: Sete anos te servirei para ter a Raquel, tua filha mais moça.
19 Respondeu Labão: Melhor é que eu a dê a ti do que a outro; fica comigo.
20 Assim serviu Jacó sete anos por causa de Raquel; e estes lhe pareciam como poucos dias, pelo muito que a amava.
21 Então Jacó disse a Labão: Dá-me minha mulher, porque o tempo já está cumprido; para que eu a tome por mulher.
22 Reuniu, pois, Labão todos os homens do lugar, e fez um banquete.
23 À tarde tomou a Léia, sua filha e a trouxe a Jacó, que esteve com ela.
24 E Labão deu sua serva Zilpa por serva a Léia, sua filha.
25 Quando amanheceu, eis que era Léia; pelo que perguntou Jacó a Labão: Que é isto que me fizeste? Porventura não te servi em troca de Raquel? Por que, então, me enganaste?
26 Respondeu Labão: Não se faz assim em nossa terra; não se dá a menor antes da primogênita.
27 Cumpre a semana desta; então te daremos também a outra, pelo trabalho de outros sete anos que ainda me servirás.
28 Assim fez Jacó, e cumpriu a semana de Léia; depois Labão lhe deu por mulher sua filha Raquel.
29 E Labão deu sua serva Bila por serva a Raquel, sua filha.
30 Então Jacó esteve também com Raquel; e amou a Raquel muito mais do que a Léia; e serviu com Labão ainda outros sete anos.
31 Viu, pois, o Senhor que Léia era desprezada e tornou-lhe fecunda a madre; Raquel, porém, era estéril.
32 E Léia concebeu e deu à luz um filho, a quem chamou Rúben; pois disse: Porque o Senhor atendeu à minha aflição; agora me amará meu marido.
33 Concebeu outra vez, e deu à luz um filho; e disse: Porquanto o Senhor ouviu que eu era desprezada, deu-me também este. E lhe chamou Simeão.
34 Concebeu ainda outra vez e deu à luz um filho e disse: Agora esta vez se unirá meu marido a mim, porque três filhos lhe tenho dado. Portanto lhe chamou Levi.
35 De novo concebeu e deu à luz um filho; e disse: Esta vez louvarei ao Senhor. Por isso lhe chamou Judá. E cessou de ter filhos. 
.
.
http://fabianaoliveirarj.blogspot.com/2009/09/camoes-sete-anos-de-pastor-jacob-servia.html
.
.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Primavera, Verão, Outono, inverno ... Primavera - de Kim Ki-Duk


.
.
fiuzapedrofiuza | 26 de setembro de 2007
Trailer de Primavera, Verão, Outono, Inverno...e Primavera ("Bom yeoreum gaeul gyeoul geurigo bom" / "Spring, Summer, Fall, Winter... and Spring") (Kim Ki-duk; Coréia do Sul; 2003)
 .
.
.

altairsergio | 8 de janeiro de 2009
Mi parte favorita de la película...
.
.
.

cameuy | 9 de outubro de 2009
Escena de la madre y el bebe
.
.

.
.

unoloves | 14 de dezembro de 2007
kim ki duk PRIMAVERA VERANO... Trailer
.
.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

ANGELA MARIA - A NOITE E A DESPEDIDA - MPB


.
.

CARBONIERIBOY | 4 de junho de 2009 
.
Vejo a vida
Sofrida por amar alguém que está distante;
Vestida de ilusão segue adiante
Tão pouco que restou do nosso amor
Que acabou...
Muito tarde
Me invade a saudade louca, inimiga
Tão triste quanto a noite a despedida;
E vem o pranto a rolar nos olhos meus
Que amou demais...
Abro a Janela
E vejo a rua e a lua tão sombria
E eu vivendo louca sem ter alegria
Longe está de mim desde que partiu
Maldito inverno
A vida é um inferno sem os olhos seus;
Não demore venha pelo amor de Deus
Cantar comigo esta canção:
Lá, lá, lá, lá, lá...
Madrugada, lá fora o vento frio passa a cantar
A mais linda canção pra quem amar
Igual aquela que cantei para você...cantei para você;
Ouço o murmúrio
Das ondas que se quebram mar a fora;
Queria ter você bem perto agora!
E longe está de mim desde que partiu...
Maldito inverno!
A vida é um inferno sem os olhos seus;
Não demore, venha pelo amor de Deus
Cantar comigo esta canção:
Lá, iá, lá, iá, iá, la...
 
.
.
http://www.gugalyrics.com/ANGELA-MARIA-A-NOITE-E-A-DESPEDIDA-LYRICS/363105/
.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

O tempo do ... Barão Vermelho


.
.
camrykilo | 11 de maio de 2008
Barão Vermelho - Pro Dia Nascer Feliz 

Todo dia a insônia
Me convence que o céu
Faz tudo ficar infini...to
E que a solidão
É pretensão de quem fica
Escondido fazendo fi...ta
Todo dia tem a hora da sessão coruja, hum...
Só entende quem namora
Agora vão'bora
Estamos bem por um triz
Pro dia nascer feliz, hum...
Pro dia nascer feliz
O mundo inteiro acordar
E a gente dormir, dormir
Pro dia nascer feliz
Ah! Essa é a vida que eu quis
O mundo inteiro acordar
E a gente dormir...

Todo dia é dia
E tudo em nome do amor
Ah! Essa é a vida que eu quis
Procurando vaga
Uma hora aqui, a outra ali
No vai e vem dos teus quadris
Nadando contra a corrente
Só pra exercitar...
Todo o músculo que sente
Me dê de presente o teu bis
Pro dia nascer feliz, é!
Pro dia nascer feliz
O mundo inteiro acordar
E a gente dormir, dormir
Pro dia nascer feliz, é!
Pro dia nascer feliz
O mundo inteiro acordar
E a gente dormir, dormir

Oh oh oh oh
Oh oh oh oh
Oh oh oh oh...

Todo dia é dia
E tudo em nome do amor
Essa é a vida que eu quis
Procurando vaga
Uma hora aqui, a outra ali
No vai e vem dos teus quadris
Nadando contra a corrente
Só pra exercitar
Todo o músculo que sente
Me dê de presente o teu bis
Pro dia nascer feliz
Pro dia nascer feliz, hum...
O mundo inteiro acordar
E a gente dormir, dormir
Pro dia nascer feliz

Ah! Essa é a vida que eu quis
O mundo inteiro acordar
E a gente dormir...

É, é é, yeah, yeah...
.
.
http://www.gugalyrics.com/02.PRO-DIA-NASCER-FELIZ-BAR%C3%A3O-VERMELHO-LYRICS/471308/
.
.
.
.
JimeBrasil | 3 de agosto de 2006
Brazilian Rock Music - BARÃO VERMELHO - "O Tempo Não Pára" 
.

Disparo contra o sol
Sou forte, sou por acaso
Minha metralhadora cheia de mágoas
Eu sou um cara
Cansado de correr na direção contrária
Sem pódio de chegada
Ou beijo de namorada
Eu sou mais um cara
Mas se vc achar que eu estou derrotado
Saiba que ainda estão rolando os dados
Porque o tempo, o tempo não pára
Dias sim, dias não
Eu vou sobrevivendo sem um arranhão
Da caridade de quem me detesta

(refrão)
A tua piscina está cheia de ratos
Suas idéias não correspondem aos fatos
O tempo não pára
Eu vejo o futuro repetir o passado
Eu vejo um museu de grandes novidades
O tempo não pára, não pára não, não pára

Eu não tenho data pra comemorar
Às vezes os meus dias são de par em par
Procurando agulha no palheiro
Nas noites de frio é melhor nem nascer
Nas de calor se escolhe:
É matar ou morrer
E assim nos tornamos brasileiros
Te chamam de ladrão, de bicha, maconheiro
Transformam o país inteiro num puteiro
Pois assim se ganha mais dinheiro

(repete refrão)
.
.
http://www.lyricsvip.com/Bar%C3%A3o-Vermelho/O-tempo-n%C3%A3o-para-Lyrics.html
.

.
.
amirghazirock | 11 de janeiro de 2010
FILMADO COM ECLUSIVIDADE POR: AMIR GHAZI NO BALROOM VERÃO 2001
BARÃO INSTRUMENTAL:
GUTO GOFFI- BATERIA
RODRIGO SANTOS- BAIXO
FERNANDO MAGALHÃES- GUITARRA
.
.
O Que Você Faz À Noite?

.
O que você faz à noite
Depois do fim da festa
Quando nada mais lhe resta
Ninguém mais presta atenção

Que que você faz
Depois do fim da festa a febre se manifesta
E o corpo implora proteção

Que que você faz
Quando um bar parece um barco
E a cidade um oceano

Que que você faz
Se nenhuma escolha parece certa
E toda descoberta é um plano

À noite - você é o que faz
Se você faz o que quer - à noite
   
.
http://www.lyricsvip.com/Bar%C3%A3o-Vermelho/O-Que-Voc%C3%AA-Faz-%C3%80-Noite%3F-Lyrics.html
.
.

Barão Vermelho

The first Brazilian rock band, Barão Vermelho deserves the title because while Blitz was the first to make success in the style concocted in the '80s in Brazil, Blitz was a pop band with pinches of rock, while Barão Vermelho had a visceral rock approach from the beginning. Barão Vermelho began as a school friends' experiment. Maurício Augusto Carvalho de Barros (keyboard) and Flávio Augusto Goffi Marquezini (drummer) used to play Led Zeppelin and the Rolling Stones covers at Barros' father's garage around 1980. Guitarist Roberto Frejat joined the duo soon before bassist André Palmeira Cunha (Dé). As they needed a vocalist, they tried the novice Leo Jayme, who was after a lighter pop band, nominating Agenor Miranda Araújo Neto for the position. As Cazuza, the new singer/composer would propel Barão Vermelho's performances and depart for a successful solo career. His being son of the artistic director for a major label (Som Livre) helped a lot in that. Joining forces with Frejat, the duo wrote almost all of their material, which was presented in a show at the Morro da Urca, opening for the funk artist Sandra Sá (now Sandra de Sá). The show was a fiasco, but the demo tape used to show the repertory was heard by the rock critic Ezequiel Neves, who loved the sound. Neves persuaded Som Livre producer Guto Graça Mello, and they recorded the first LP by Barão Vermelho (the name taken from a Peanuts comic), Barão Vermelho. Released in September, 1982, the album didn't gain the public's interest. Barão Vermelho 2 (1983) also didn't sell, but then the group drew the attention of two important MPB artists: Caetano Veloso, who sang "Todo Amor Que Houver Nessa Vida" (Cazuza/Frejat, from the first album), and Ney Matogrosso, who recorded "Pro Dia Nascer Feliz" (Cazuza/Frejat, from the second album), scoring a hit with it. Immediately the label recorded a single with the band performing the song, which had an even bigger success. In the following year, the film Bete Balanço (Lael Rodrigues) included the theme song written by Cazuza/Frejat and performed by the band, which also appeared in that film. A typical youth movie, it hit the target, attracting 1.4 million spectators. It prepared the setting for the mainstream appropriation of Brazilian rock in its first visceral edition. Maior Abandonado was the biggest success of the band, including the title track and "Bete Balanço." The popularity of the film and the band could be seen during the Festival Bete Balanço de Rock, where Lobão & Os Ronaldos, Celso Blues Boy, Titãs, Brylho, and Metralhatxeca, along with the Barão, performed the film's soundtrack live. In January, 1985, the Barão performed twice in the historic first edition of the Rock in Rio festival. In late July, Cazuza departed for his solo career, tired of sharing. With the forthcoming fourth album cancelled by the defection, Frejat took the vocalist position, recording "Torre de Babel" for a TV Globo special. The song, scoring a hit, opened the way for the Declare Guerra (Som Livre, 1986) album which had a collaboration with Cazuza in "Um Dia Na Vida," "Maioridade," and "Que o Deus Venha." With bad distribution, the album didn't take off and precipitated the departure of the band to a new label, WEA, where they recorded the lighter Rock'n Geral (1987). In February 1988, Maurício Barros left the band, and guitarist Fernando Magalhães and percussionist Peninha (Paulo Pizziali) joined the group, recording Carnaval, a return to hard rock. The hit of the album was "Pense e Dance." On the album tour, in June 1989, the live album Barão ao Vivo was recorded in the DamaXoc nightclub amidst massive publicity. In 1990, the group performed in the II Rock in Rio festival, when the inevitable departure of the bassist Dé was felt by the audience due to his ironic attitude. The bass in the new album Na Calada da Noite was recorded by Dadi (formerly of A Cor do Som), but the fact was only made public in May, when the album was already done -- which, maybe inadvertently did justice to the album's title. The release of the new album coincided with the death by AIDS of Cazuza, on July 7th. One of its songs, "O Poeta Está Vivo," referred to a poet being alive still. In 1996, the group scored another hit with "Malandragem, Dá Um Tempo," by the sambista Moreira da Silva. The other CDs by the band include Supermercados da Vida (1992, WEA), Carne Crua (1994, WEA), and Álbum, (1996, WEA). ~ Alvaro Neder, Rovi 
.
http://www.youtube.com/artist?a=GxdCwVVULXcK1wQEWEqzsSIRB2WfMAV0&feature=artist
.
.

Fica Comigo Esta Noite - trailer


.
.

.
.

bertsonbrunnelli | 18 de junho de 2008
Do filme Fica comigo esta noite, Brasileiro em que gosto muito!!!!
.
.
.
.
TatianaMaciel | 15 de agosto de 2006
Clipe com cenas do filme inédito Fica Comigo Esta Noite de João Falcão. Música tema cantada por Vladimir Brichta e arranjada por Robertinho do Recife. Em breve nos cinemas.
.
.

Fica comigo esta noite
E não te arrependerás
Lá fora o frio é um açoite
Calor aqui tu terás

Terás meus beijos de amor
Minhas carícias terás
Fica comigo esta noite
E não te arrependerás

Quero em teus braços, querida
Adormecer e sonhar
Esquecer que nos deixamos
Sem nos querermos deixar

Tu ouvirás o que eu digo
Eu ouvirei o que dizes
Fica comigo esta noite
E então seremos felizes

More lyrics: http://www.lyricsmode.com/lyrics/r/rubi/#share
.

Fica comigo esta noite - Nelson Gonçalves


.
.
Antônio Gonçalves Sobral, mais conhecido como Nélson Gonçalves, (Santana do Livramento, 21 de junho de 1919 — Rio de Janeiro, 18 de abril de 1998) foi um cantor brasileiro. Segundo maior vendedor de discos da história do Brasil, com mais de 75 milhões de copias vendidas, fica atrás apenas de Roberto Carlos, com mais de 120 milhões. Seu maior sucesso foi a canção A volta do boêmio.

BIOGRAFIA

Nasceu no Rio Grande do Sul, mudou-se com os seus pais portugueses para São Paulo, no bairro do Brás. Quando criança, era levado, para praças e feiras pelo seu pai, que fazendo-se de cego, tocava violino, enquanto ele cantava.

Foi jornaleiro, mecânico, engraxate, polidor e tamanqueiro. Foi também lutador de boxe na categoria peso-médio, recebendo aos dezesseis anos o título de campeão paulista.

Mesmo com o apelido de "Metralha", por causa da gagueira, decidiu ser cantor. Em uma de suas primeiras bandas, teve como baterista Joaquim Silva Torres. Foi reprovado duas vezes no programa de calouros de Aurélio Campos. Finalmente foi admitido na rádio PRA-5, mas dispensado logo depois.

Nesta época, casou-se com Elvira Molla e com ela teve dois filhos. Sem emprego, trabalhou como garçom, no bar do seu irmão, na avenida São João.

Seguiu para o Rio de Janeiro em 1939, onde trilhou mais uma vez o caminho dos programas de calouros. Foi reprovado novamente na maioria deles, inclusive no de Ary Barroso, que o aconselhou a desistir. Finalmente, em 1941, conseguiu gravar um disco de 78 rotações, que foi bem recebido pelo público. Passou a crooner do Cassino Copacabana (do Hotel Copacabana Palace) e assinou contrato com a Rádio Mayrink Veiga, iniciando uma carreira de ídolo do rádio nas décadas de 40 e 50, da escola dos grandes, discípulo de Orlando Silva e Francisco Alves.

Alguns de seus grandes sucessos dos anos 40 foram Maria Bethânia (Capiba), Normalista (Benedito Lacerda / Davi Nasser), Caminhemos (Herivelto Martins), Renúncia (Roberto Martins / Mário Rossi) e muitos outros. Maiores ainda foram os êxitos na década de 50, que incluem Última Seresta (Adelino Moreira / Sebastião Santana), Meu Vício É Você e a emblemática A Volta do Boêmio (ambas de Adelino Moreira).

Na década de 50, além de shows em todo o Brasil, chegou a se apresentar em paises como Uruguai, Argentina e Estados Unidos, no Radio City Music Hall.

Em 1952, casou-se com Lourdinha Bittencourt, substituta de Dalva de Oliveira no Trio de Ouro. O casamento durou até 1959.

Em 1965, casa-se de novo, com Maria Luiza da Silva Ramos, com quem teve dois filhos, Ricardo da Silva Ramos Gonçalves e Maria das Graças da Silva Ramos Gonçalves. A caçula tem seu apelido no refrão da música Até 2001. (É no gogo gugu).

No entanto, o seu envolvimento com a cocaína, em 1958, tendo, inclusive, sido preso em flagrante em 1965 e passado um mês na Casa de Detenção, o que lhe trouxe problemas pessoais e profissionais. Superada a crise, lançou o disco A Volta do Boêmio nº1, um grande sucesso.

Após abandonar o vício com o apoio de sua mulher, retomou uma carreira bem sucedida.

Continuou gravando regularmente nos anos 70, 80 e 90, reafirmado a posição entre os recordistas nacionais de vendas de discos. Além dos eternos antigos sucessos, Nelson Gonçalves sempre se manteve atento a novos compositores, e chegou a gravar canções de Ângela Rô Rô (Simples Carinho), Kid Abelha (Nada por Mim), Legião Urbana (Ainda É Cedo) e Lulu Santos (Como uma Onda).

Ganhador de um prêmio Nipper da RCA, dado aos que permanecem muito tempo na gravadora, sendo somente Elvis Presley o outro agraciado. Durante sua carreira, gravou mais de duas mil canções, 183 discos em 78 rpm, 128 álbuns, vendeu cerca de 78 milhões de discos, ganhou 38 discos de ouro e 20 de platina.

Morreu em consequencia de um enfarte agudo do miocárdio no apartamento de sua filha Margareth, no Rio de Janeiro.

DRAMATIZAÇÕES


A vida de Nelson Gonçalves teve sua biografia dramatizada nas seguintes obras:

Na década de 90, foi encenado nas principais capitais do país o musical Metralha.
.
Em 2001 foi lançado o documentário Nélson Gonçalves, contando a sua trajetória, com direção de Elizeu Ewald e protagonizado por Alexandre Borges e Júlia Lemmertz, e tendo a sua filha Margareth Gonçalves como produtora executiva.
.
.
_____
.
Fica comigo esta noite
E não te arrependerás
Lá fora o frio é um açoite
Calor aqui tu terás

Terás meus beijos de amor
Minhas carícias terás
Fica comigo esta noite
E não te arrependerás

Quero em teus braços, querida
Adormecer e sonhar
Esquecer que nos deixamos
Sem nos querermos deixar

Tu ouvirás o que eu digo
Eu ouvirei o que dizes
Fica comigo esta noite
E então seremos felizes


More lyrics: http://www.lyricsmode.com/lyrics/r/rubi/#share
.
.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A noite de meu bem - Ângela Maria


.
.

PEDRORICARDOMELO | 6 de março de 2010
"A NOITE DO MEU BEM", CLÁSSICO DE 'DOLORES DURAN', NA VOZ DA GRANDE CANTORA 'ÂNGELA MARIA'.
.
Hoje eu quero a rosa mais linda que houver
quero a primeira estrela que vier
para enfeitar a noite do meu bem

Hoje eu quero paz de criança dormindo
quero o abandono de flores se abrindo
para enfeitar a noite do meu bem

Quero a alegria de um barco voltando
quero ternura de mãos se encontrando
para enfeitar a noite do meu bem

Hoje eu quero o amor, o amor mais profundo
eu quero toda beleza do mundo
para enfeitar a noite do meu bem

Mas como esse bem demorou a chegar
eu já nem sei se terei no olhar
toda ternura que eu quero lhe dar 
.
.
http://angela-maria.musicas.mus.br/letras/523075/
.
.

domingo, 22 de agosto de 2010

A Hard Days Night - The Beatles


.
.
AndQuiteFrankly | 31 de maio de 2008
part 1 of A Hard Days Night by the Beatles beginning to scrutinizing with prisoners
.

Beatles : A Hard Day's Night Lyrics

Songwriters: Lennon, John Winston; Mccartney, Paul James;

It's been a hard day's night
And I've been working like a dog.
It's been a hard day's night,
I should be sleeping like a log.
But when I get home to you,
I find the things that you do
Will make me feel alright.
You know I work all day
To get you money to buy you things.
And it's worth it just to here you say,
You're gonna give me everything.
So why on earth should I moan,
'Cos when I get you alone
You know I feel okay.
When I'm home everything seems to be right.
When I'm home feeling you holding me tight, tight, yeah.
It's been a hard day's night
And I've been working like a dog.
It's been a hard day's night,
I should be sleeping like a log.
But when I get home to you,
I find the things that you do
Will make me feel alright.
So why on earth should I moan,
'Cos when I get you alone
You know I feel okay.
When I'm home everything seems to be right.
When I'm home feeling you holding me tight, tight, yeah.
It's been a hard day's night
And I've been working like a dog.
It's been a hard day's night,
I should be sleeping like a log.
But when I get home to you,
I find the things that you do
Will make me feel alright.
You know I feel alright,
You know I feel alright.
.
.

http://www.lyricsdepot.com/the-beatles/hard-days-night.html
.

sábado, 21 de agosto de 2010

Tom Vinícius Toquinho e Miúcha 03 - Tarde em Itapoã


.
.
vtnkoxa | 26 de julho de 2008
Show antológico gravado em 18 de outubro de 1978 em Milão, na Itália, com a dupla Jobim e Vinícius, acompanhada pelo violão de Toquinho e pela voz de Miúcha (que para os que não sabem, é irmã do Chico Buarque).
.
.


um velho calção de banho
o dia prá vadiar
o mar que não tem tamanho
e arco iris no ar
depois na praça do caymmi
sentir preguiça no corpo
e numa esteira de vime
beber uma água de coco
.
Refrão
é bom,
passar uma tarde em itapoãn
ao sol que arde em itapoãn
ouvindo o mar de itapoãn
falar de amor em itapoãn

enquanto o mar inaugura
um verde novinho em folha
argumentar com doçura
com uma cachaça de rolha
e com o olhar esquecido
no encontro de céu e mar
bem devagar ir sentindo
a terra toda rodar

refrão
é bom,
passar uma tarde em itapoãn
ao sol que arde em itapoãn
ouvindo o mar de itapoãn
falar de amor em itapoãn

depois sentir o arrepio
do vento que a noite traz
e o diz-que-diz que macio
que brota nos coqueirais
e nos espaços serenos
sem ontem nem amanhã
dormir nos braços morenos
da lua de itapoãn

refrão
é bom,
passar uma tarde em itapoãn
ao sol que arde em itapoãn
ouvindo o mar de itapoãn
falar de amor em itapoãn
.
.
.
samba : toquinho e vinicius de moraes.
.
.

http://www.lyricstime.com/vin-cius-e-toquinho-tarde-em-itapo-n-lyrics.html
.
.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Relógio Mundial


.
Relógio Mundial... IMPRESSIONANTE e não dá para se perceber como que isto pode ser feito É só clicar no link abaixo e conhecer esse surpreendente relógio da vida terrestre dando interessantes e assustadoras estas contagens!!!
.
FASCINANTE!!!
..
M.M.
Data: Fri, 20 Aug 2010 12:28:41 +0100 (Hora de Verão de GMT)
.
.
.

Balada de un día de Julio - Federico García Lorca

Poemas del Alma



Esquilones de plata
Llevan los bueyes.

—¿Dónde vas, niña mía,
De sol y nieve?

—Voy a las margaritas
Del prado verde.

—El prado está muy lejos
Y miedo tiene.

—Al airón y a la sombra
Mi amor no teme.

—Teme al sol, niña mía,
De sol y nieve.

—Se fue de mis cabellos
Ya para siempre.

—Quién eres, blanca niña.
¿De dónde vienes?

—Vengo de los amores
Y de las fuentes.

Esquilones de plata
Llevan los bueyes.

—¿Qué llevas en la boca
Que se te enciende?

—La estrella de mi amante
Que vive y muere.

—¿Qué llevas en el pecho
Tan fino y leve?

—La espada de mi amante
Que vive y muere.

—¿Qué llevas en los ojos,
Negro y solemne?

—Mi pensamiento triste
Que siempre hiere.

—¿Por qué llevas un manto
Negro de muerte?

—¡Ay, yo soy la viudita
Triste y sin bienes!

Del conde del Laurel
De los Laureles.

—¿A quién buscas aquí
Si a nadie quieres?


—Busco el cuerpo del conde
De los Laureles.

—¿Tú buscas el amor,
Viudita aleve?
Tú buscas un amor
Que ojalá encuentres.

—Estrellitas del cielo
Son mis quereres,
¿Dónde hallaré a mi amante
Que vive y muere?

—Está muerto en el agua,
Niña de nieve,
Cubierto de nostalgias
Y de claveles.

—¡Ay! caballero errante
De los cipreses,
Una noche de luna
Mi alma te ofrece.

—Ah Isis soñadora.
Niña sin mieles
La que en bocas de niños
Su cuento vierte.
Mi corazón te ofrezco,
Corazón tenue,
Herido por los ojos
De las mujeres.

—Caballero galante,
Con Dios te quedes.

—Voy a buscar al conde
De los Laureles...

—Adiós mi doncellita,
Rosa durmiente,
Tú vas para el amor
Y yo a la muerte.

Esquilones de plata
Llevan los bueyes.

—Mi corazón desangra
Como una fuente.




Poemas de Federico García Lorca
.
.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Um dia de domingo - Gal Costa

 
.
.


jdgmcz24 | 11 de dezembro de 2008
Gal canta "Um dia de Domingo", de Michael Sullivan e Paulo Massadas, na sua turnê internacional do show "Lua de Mel Como o Diabo Gosta", Buenos Aires.
.
.

Um dia De Domingo

Gal Costa

Composição: Michael Sullivan e Paulo Massadas
.
Eu preciso te falar
Te encontrar de qualquer jeito
Prá sentar e conversar
Depois andar
De encontro ao vento...
.
Eu preciso respirar
O mesmo ar que te rodeia
E na pele quero ter
O mesmo sol que te bronzeia...
.
Eu preciso te tocar
E outra vez te ver sorrindo
E voltar num sonho lindo...
.
Já não dá mais prá viver
Um sentimento sem sentido
Eu preciso descobrir
A emoção de estar contigo...
.
Ver o sol amanhecer
E ver a vida acontecer
Como um dia de domingo...
.
Faz de conta que ainda é cedo
Tudo vai ficar
Por conta da emoção
Faz de conta que ainda é cedo
E deixar falar
A voz do coração...(final 2x)
.
(Repetir a letra)
.
http://letras.terra.com.br/gal-costa/96531/
.
.
.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Manhã de Carnaval (Orfeu Negro) - duas interpretações e um filme


.
.poetavivo | 30 de setembro de 2006
Na TV Manchete, a psicóloga e musa da bossa nova toca violão e canta Manhã de Carnaval, de Luiz Bonfá. - Nara Leão
.
.
.
.

varadero1839 | 15 de outubro de 2008
From "Orfeu Negro," a Brazilian, French, Portuguese production, from many years ago.
DISCLAIMER: All rights reserved to the production companies and music labels that distributed and produced the music and performance respectively. I've only added the footage as a tribute for historical, entertainment, and creative purposes with no financial gain. Copyright infringement not intended.

Please consider purchasing the original here:

http://itunes.apple.com/us/album/blac...
.
.

Manhã, tão bonita manhã
Na vida, uma nova canção
Cantando só teus olhos
Teu riso, tuas mãos
Pois há de haver um dia
Em que virás

Das cordas do meu violão
Que só teu amor procurou
Vem uma voz
Falar dos beijos perdidos
Nos lábios teus


Canta o meu coração
Alegria voltou
Tão feliz a manhã
Deste amor
.
.
http://www.lyricstime.com/nara-le-o-manh-de-carnaval-lyrics.html



A DAY IN THE LIFE OF A FOOL
(Luiz Bonfá / Carl Sigman)
Based on "Manhã de Carnaval" - written by Luiz Bonfá &
Antônio Maria for the Brazilian film "Orfeu Negro" (1958)

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

domingo, 15 de agosto de 2010

Tonight - West Side Story


.
.
bravenewworld711 | 18 de fevereiro de 2007
Probably the most famous song from this classic. Inspired by the balcony scene in Romeo and Juliet.
.
.
West Side Story is an American musical with a book by Arthur Laurents, music by Leonard Bernstein, lyrics by Stephen Sondheim, and choreography by Jerome Robbins. The musical's plot and story are based on William Shakespeare's Romeo and Juliet.
.
The production spawned an innovative, award-winning 1961 musical film of the same name, directed by Robert Wise and Robbins, and starring Natalie Wood, Richard Beymer, Rita Moreno, George Chakiris and Russ Tamblyn. It won ten Academy Awards out of eleven nominations, and it is produced frequently by schools, regional theatres, and occasionally by opera companies.
.
.

sábado, 14 de agosto de 2010

Yesterday - The Beatles


.
.
diamondpna | 2 de maio de 2007
bueno para mi es bueno el video hay q verlo... y q me digan lo q les parece
http://presosdenuestralibertad.blogsp...
.
.

Beatles » Yesterday Lyrics

 .


Yesterday
All my troubles seemed so far away
Now it looks as though they're here to stay
Oh, I believe
In yesterday

Suddenly
I'm not half the man I used to be
There's a shadow hanging over me
Oh, yesterday
Came suddenly

Why she
Had to go I don't know
She wouldn't say
I said
Something wrong now I long
For yesterday

Yesterday
Love was such an easy game to play
Now I need a place to hide away
Oh, I believe
In yesterday

Why she
Had to go I don't know
She wouldn't say
I said
Something wrong now I long
For yesterday

Yesterday
Love was such an easy game to play
Now I need a place to hide away
Oh, I believe
In yesterday

(hum to "I believe in yesterday")
.
http://www.lyricsdomain.com/2/beatles/yesterday.html
.
.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Night and Day (Cole Porter) - interpretações de Frank Sinatra e de Ella Fitzgerald


.
.
ArgonDiscoverer | 18 de junho de 2008
Its one of the greates songs of Frank Sinatra.
.
.

.
,

uzomad | 2 de maio de 2009
Ella Fitzgerald - Night and Day

Like the beat beat beat of the tom-tom
When the jungle shadows fall
Like the tick tick tock of the stately clock
As it stands against the wall
Like the drip drip drip of the raindrops
When the summer shower is through
So a voice within me keeps repeating you, you, you

Night and day, you are the one
Only you beneath the moon and under the sun
Whether near to me, or far
It's no matter darling where you are
I think of you
Night and day, day and night, why is it so
That this longing for you follows wherever I go

In the roaring traffic's boom
In the silence of my lonely room
I think of you

Night and day, Night and day
Under the hide of me
There's an oh such a hungry yearning burning inside of me
And its torment won't be through
'Til you let me spend my life making love to you
Day and night, night and day
.
.

 

Deu meia-noite - António Reis

041. DEU MEIA-NOITE

Deu meia-noite
és livre
os guardas olham as montras

vêem o preço dos coturnos
e dos lenços

não mais se lembrarão de ti

só se o luar nascer
ou a manhã

ou se gritares


António Reis -
Poemas Quotidianos, pág. 7, Porto, [1957].
.
.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Domingo irei - Alberto Caeiro

Poema

Domingo Irei
.
.
  Domingo irei para as hortas na pessoa dos outros,
Contente da minha anonimidade.
Domingo serei feliz — eles, eles...
Domingo...
Hoje é quinta-feira da semana que não tem domingo...
Nenhum domingo. —
Nunca domingo. —
Mas sempre haverá alguém nas hortas no domingo que vem.
Assim passa a vida,
Sutil para quem sente,
Mais ou menos para quem pensa:
Haverá sempre alguém nas hortas ao domingo,
Não no nosso domingo,
Não no meu domingo,
Não no domingo...
Mas sempre haverá outros nas hortas e ao domingo!

Álvaro de Campos, in "Poemas"
Heterónimo de Fernando Pessoa

.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Domingo no Parque - Gilberto Gil e os Mutantes


.
.
dorcila | 8 de abril de 2008
Clipe da música "Domingo no Parque", de Gilberto Gil, segunda colocada no Festival da Canção de 1967. A narrativa é ambientada em Salvador, Bahia. Praia da Ribeira é o lugar preferido dos boêmios da cidade. Nos finais de semana, a praia fica lotada de gente que vem desfrutar dos bons restaurantes típicos do lugar. O sorvete é reconhecido como o mais tradicional e saboroso de Salvador. A carne de sol com macaxeira (aipim) também é muito procurada. O pôr-do-sol da Praia da Ribeira é imperdível. Boca do Rio também é um bairro da cidade de Salvador. Fonte: http://www.praiacerta.com.br/portal/p...
.
.

Coro da Primavera - José Afonso e Xutos e Pontapés


.
.

fcac20 | 1 de fevereiro de 2010
Coro da Primavera é uma obra-prima da música ligeira portuguesa. Faz parte do álbum Cantigas do Maio, que recentemente foi considerado pela revista Blitz como o melhor álbum de música portuguesa dos anos 70. 
.
.

.
.
pax80a | 15 de junho de 2009
Homenagem a Zeca Afonso - Coro da Primavera. Interpretada por Xutos e Pontapés.
.
.

Cobre-te canalha
Na mortalha
Hoje o rei vai nu
Os velhos tiranos
De há mil anos
Morrem como tu
Abre uma trincheira
Companheira
Deita-te no chão
Sempre à tua frente
Viste gente
Doutra condição
Ergue-te ó Sol de Verão
Somos nós os teus cantores
Da matinal canção
Ouvem-se já os rumores
Ouvem-se já os clamores
Ouvem-se já os tambores
Livra-te do medo
Que bem cedo
Há-de o Sol queimar
E tu camarada
Põe-te em guarda
Que te vão matar
Venham lavradeiras
Mondadeiras
Deste campo em flor
Venham enlaçadas
De mãos dadas
Semear o amor
Ergue-te ó Sol de Verão
Somos nós os teus cantores
Da matinal canção
Ouvem-se já os rumores
Ouvem-se já os clamores
Ouvem-se já os tambores
Venha a maré cheia
Duma ideia
P'ra nos empurrar
Só um pensamento
No momento
P'ra nos despertar
Eia mais um braço
E outro braço
Nos conduz irmão
Sempre a nossa fome
Nos consome
Dá-me a tua mão
Ergue-te ó Sol de Verão
Somos nós os teus cantores
Da matinal canção
Ouvem-se já os rumores
Ouvem-se já os clamores
Ouvem-se já os tambores

More lyrics: http://www.lyricsmode.com/lyrics/a/afonso_zeca/#share
.
.

Ilusionismo Quadrilátero

ILUSIONISMO
.

* Victor Nogueira .
.
Ele há um tempo p’ra tudo na vida
Cantando hora, minuto, segundo;
Por isso sempre existe uma saída
Enquanto nós estivermos neste mundo.
.
Há um tempo para não fenecer
Há mar, sol, luar e aves com astros
Há uma hora p'ra amar ou morrer
E tempo para não se ficar de rastos.
.
P'ra isso e' preciso sabedoria
Em busca dum bom momento, oportuno,
Com ar, bom vinho, pão e cantoria,
Sem se confundir a nuvem com Juno.
.
1991.08.11 - SETUBAL